Recém-nascida é abandonada na Igreja Matriz

Bebê do sexo feminino foi encontrada em frente a pia batismal na manhã de terça (02)

Publicado: 02/05/17 • 16h30
Atualizado em: 05/05/17 • 21h35

Cerca de dois meses após um bebê do sexo masculino ter sido abandonado na rodoviária de Rolândia, a história se repetiu. Desta vez, uma menina recém-nascida foi encontrada na Igreja Matriz, em frente a pia batismal na manhã de terça-feira (02). Patrícia Barros, conselheira tutelar que cuidou da situação que aconteceu por volta das 10 da manhã, contou o que houve. “Um funcionário da igreja estava fazendo a manutenção e ouviu o choro de uma criança”, disse a conselheira. Ao procurar, ele encontrou o bebê. “Em frente a pia batismal da igreja, a criança estava ali no chão, enrolada na coberta”, revelou Patrícia.

De acordo com a conselheira, o funcionário levou a recém-nascida até a casa paroquial, que ligou ao conselho tutelar. “Ela estava com a roupa toda suja de sangue, porque fazia poucas horas que essa criança tinha nascido, estava ainda com o cordão umbilical”, contou. Patrícia foi ao local e imediatamente levou a criança ao hospital para passar pelos procedimentos clínicos. “A criança foi examinada, tomou vacina, foi pesada”, afirmou. Segundo informações da conselheira, a menina passa bem, vai ficar em observação no hospital por 48h e por enquanto tem o futuro incerto. “Se não encontrar a mãe, não sei qual vai ser o procedimento da promotoria, possivelmente essa criança seja encaminhada para adoção”, declarou a conselheira.

Patrícia afirmou que ainda não há nenhuma pista sobre quem pode ser a mãe da criança e como ela foi deixada dentro da igreja. A possibilidade é que isso tenha acontecido no período em que a Matriz fica aberta, após a missa que acontece às 7h todos os dias. “Depois dessa missa das 7 ela nunca ficou fechada”, disse a conselheira. O menino que foi abandonado em um banheiro da rodoviária de Rolândia no mês de março, está na casa abrigo e segundo Patrícia, já faz parte da fila de adoção.

Monsenhor José Agius voltou para a igreja depois de um compromisso e se deparou com a situação. “Eu vi ele saindo e carregava alguma coisa, parecia uma boneca”, contou o Monsenhor. “Eu só disse ‘o que está carregando hoje cedo?’ e ele disse ‘é uma criança, Padre Zé’”, disse. Surpreso, ele foi ver a criança, que estava com a cabeça suja de sangue e usava um gorrinho. Padre Zé revelou que o acontecimento mexeu profundamente com todos do local: o funcionário ficou emocionado e as secretárias da paróquia ficaram encantadas com o bebê. O Monsenhor citou Papa Francisco, ao dizer que este ato pode ter perdão divino. “Deus nunca se cansa de perdoar, somos nós que cansamos de pedir perdão”, finalizou.

Fotos desta matéria

Envie seu comentário:
Comentário mediante a aprovação.