A (O) Menina (o) que matou os (meus) pais

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Colunas
  6. /
  7. A (O) Menina (o)...

Por Samuel M. Bertoco

Vamos começar com um subtítulo: Ambos os filmes oscilam muito e têm um resultado, como obra, de meia boca pra ruim. Pra quem boiou, foram lançados pelo Prime Vídeo na semana passada dois filmes que contam a história dos assassinatos dos pais de Suzane Von Richthofen por ela, seu namorado e o irmão dele. Um dos filmes conta a versão dela, enquanto o outro vai pela ótica de Daniel Cravinho, seu boyfriend.

Pra quem lembra – ou viu depois – ambos os julgamentos foram marcados por depoimentos manipulados e um jogando a culpa no outro de forma até meio caricata. A Justiça descartou quase tudo que foi falado e condenou todos a 40 anos de jaula. Então é estranho ver que o diretor optou justo por seguir a abordagem do julgamento. Na versão dela, Daniel é ganancioso, abusador e a convenceu a matar pela grana enquanto ela é uma moça inocente que acabou manipulada por amor. Na dele, quase o contrário, um rapaz trabalhador que era esculachado pelos pais da namorada rica cheia de problemas e bipolar.

Os filmes são espelhados e têm os mesmos problemas. O casal apresentou uma visão maniqueísta um do outro, e o filme simplesmente colou essa visão na tela, sem sutileza nem nuances. O filme não fabrica versões, mas conta as versões fabricadas por eles, e só por eles. É muito estranho porque sabemos que nenhum dos dois, realmente, diz totalmente a verdade e aí parece que estamos vendo 3 horas de um assassino acusando o outro, falando qualquer coisa aleatória pra parecer mais verossímil.

O filme tem seus méritos, a química do casal em cena é gigantesca e a atuação naturalista de Leo Bittencourt – Daniel – contrapõe uma Carla Diaz – Suzane – que brilha em alguns momentos, mas derrapa em vários, soando artificial. Aspectos técnicos como fotografia e trilha sonora são louváveis, mas para nisso.
No fim das contas, mesmo tendo que ver dois filmes, a sensação é que vimos uma história incompleta. Um relato frio que poderia estarmos lendo no Wikipédia em muito menos tempo.

Samuel M. Bertoco é formado em Marketing e Publicidade

Samuel Bertoco

Samuel Bertoco

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

VEJA TAMBÉM:

Colunas

Matando a Saudade

Memórias do Padre Zé Era o dia 5 de outubro de 1971 quando o navio “Achille Lauro” foi chegando no porto de Melbourne, onde eu

A Vida que Brota da Morte

Por Humberto Xavier Rodrigues O ladrão vem somente para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância. João

Colunas

Uma dica essencial

Entrelinhas – Por Carla Kühlewein Imagine que, em meio à correria frenética do dia a dia, uma criança resolva parar e lhe observar com insistência.

Colunas

A Marvel engana a gente nos trailers

Por Samuel M. Bertoco Na terça-feira (16) saiu o aguardado trailer do próximo filme do Homem-Aranha. Desde quando começou a pipocar informações sobre o longa,