Andamos pela Fé

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Colunas
  6. /
  7. Andamos pela Fé

Por Humberto Xavier Rodrigues

No capítulo 11 de Hebreus, encontramos diferentes aspectos da fé na vida de várias testemunhas do Antigo Testamento. Em Abel, vemos a fé se apropriar da redenção, ao oferecer a Deus um sacrifício aceitável, o qual, em figura, apontava para a Pessoa de Cristo. Pela fé, Abel ofereceu a Deus mais excelente sacrifício do que Caim; pelo qual obteve testemunho de ser justo, tendo a aprovação de Deus quanto às suas ofertas. Por meio dela, também mesmo depois de morto, ainda fala. Hebreus 11:4.

Em Enoque, vemos o andar pela fé em direção ao alvo celestial. Pela fé, Enoque foi trasladado para não ver a morte; não foi achado, porque Deus o trasladara. Pois, antes da sua trasladação, obteve testemunho de haver agradado a Deus. Hebreus 11: 5. Juntos, vemos a fé que se inicia em Abel e a fé que termina em Enoque. A vida cristã é caracterizada pela fé, do princípio ao fim: de “fé em fé”.

De fé em fé”, como está escrito: “Mas o justo viverá por fé”. Aqui não é dito, de fé em obras, nem, de obras em obras; mas, de ‘fé em fé”, isto é, somente pela fé. Do princípio ao fim, a salvação é pela graça, mediante a fé, na retidão justificadora de Cristo.

Uma vez que o apóstolo Paulo não está propondo algo novo, ele confirma este fato, fundamentado no Velho Testamento, mostrando que não é algo de que nunca se ouvira falar antes: Eis o soberbo! Sua alma não é reta nele; mas o justo viverá pela sua fé. Habacuque 2:4. Assim a fé da pessoa a quem Deus aprova e lhe confere a experiência.

A fé em Cristo é o único fundamento que nos permite ver o invisível e transpor o impossível. A fé em Cristo é a força interior que nós dá a habilidade de triunfar sobre todos os obstáculos. Sejam quais forem as circunstâncias, tenhamos o olhos fixos no Senhor Jesus, autor e consumador da nossa fé.

Qualquer que seja a forma de provação – tribulação, angústia, perseguição -, em todos os casos, da multiforme graça do Senhor, se manifestará de maneira infinitamente diferente. Para cada tipo de sofrimento, corresponde um tipo particular de amor. E, quando tivermos terminado a nossa jornada neste mundo, então permaneceremos, para toda a eternidade, como objetos de amor de Deus. Que Deus fale em nossos corações. Amém!!!

Humberto Xavier Rodrigues é formado em Teologia.

Humberto Xavier

Humberto Xavier

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Religião

Jesus disse ‘sim’

Por Monsenhor José Ágius Nosso catecismo básico diz que Jesus morreu para nos salvar. Difícil é explicar porque ele teve que morrer. Dizer que é