Como planejar sua aposentadoria

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Colunas
  6. /
  7. Como planejar sua aposentadoria

A pergunta não é com quanto vou aposentar, mas quando

O fator TEMPO (de serviço ou de contribuição) é sempre favorável em um pedido de aposentadoria. Quanto mais TEMPO comprovado MAIOR será o valor da aposentadoria. Quanto maior a IDADE do segurado (que também é derivada do fator tempo), maior a aposentadoria, ou, pelo menos, a chance de um benefício mais vantajoso. Mas cuidado! Nem sempre a maior aposentadoria é a melhor aposentadoria: tudo depende de quanto tempo o segurado precisará esperar por ela.

Assim, o “tempo” no Direito Previdenciário é fator determinante. Com o planejamento previdenciário e com o estudo pormenorizado de cada caso concreto, é possível majorar o tempo de serviço ou contribuição, bem como diminuí-lo para a concessão de um benefício mais vantajoso.

Os casos de majoração de tempo de serviço ou contribuição mais comuns e evidentes, são: 1) inclusão de tempo de serviço militar; 2) averbação de tempo trabalhado na zona rural em regime de economia familiar; 3) averbação de trabalho urbano informal como empregado(a); 4) averbação do tempo em que o segurado trabalhou como aluno-aprendiz ou estagiário; 5) conversão de tempo especial em tempo comum, aumentando o tempo em 40% para os homens e 20% para as mulheres; 6) recolhimento retroativo das contribuições previdenciárias dos autônomos (contribuintes individuais); tempo em residência médica, dentre outros.

Há também a possibilidade de majoração de tempo de contribuição com posterior diminuição para que se obtenha a possibilidade de escolha do melhor PBC.

Já a opção pela “diminuição” do tempo de contribuição (ou de serviço) do segurado pode ser vista, claramente, em casos de “escolha do melhor benefício”, melhor DER (data de entrada do requerimento) e melhor PBC (período básico de cálculo) retroagido. Após a reforma da previdência (13/11/2019), também é possível, com base no parágrafo 6º, do art.26 da EC103/2019, o descarte ou exclusão das contribuições que representem a diminuição da média do segurado, porém o descarte da contribuição também importa na exclusão do tempo correspondente.

Neste último caso, há o descarte de contribuições desfavoráveis o que também importa na diminuição no tempo de contribuição. Na medida em que as contribuições são descartadas, o tempo de contribuição e o coeficiente e cálculo diminuem e a média aumenta. Pelo planejamento previdenciário, ou através de cálculos previdenciários, o segurado conseguirá encontrar o ponto de equilíbrio entre as contribuições a serem excluídas e a diminuição do coeficiente, a fim de atingir o melhor benefício possível, sempre respeitando a carência mínima para cada espécie de aposentadoria.
No entanto, o mais importante com relação ao estudo do “tempo” no Direito Previdenciário, é: quanto tempo levará para o segurado conseguir o melhor benefício previdenciário possível.

O segurado sempre almeja uma aposentadoria em 100% da média contributiva e sem a incidência malévola do fator previdenciário, ou com sua aplicação de forma positiva. Mas por quanto tempo ele precisará esperar por isso? Quanto tempo o segurado deverá esperar para que a melhor regra de transição seja aplicada à sua aposentadoria? E, se mesmo com todas as possibilidades de majoração de tempo já verificadas e devidamente aplicadas, o segurado não atinja o tempo satisfatório para aposentadoria por pontos, pela regra de transição 100% (que requer idade mínima e tempo mínimo de contribuição), ou por tempo de contribuição com a incidência de um fator pouco invasivo? Vale a pena esperar? A resposta é: nem sempre! O planejamento previdenciário é a forma que o segurado tem de saber essas respostas, de não pagar mais e receber menos que o esperado e, também, de não pagar por mais tempo que o necessário.

Deve ser levado em conta tudo que o segurado deixará de receber, quanto tempo demorará para recuperar esse montante e qual será o seu investimento financeiro.

Como exemplo: 5 anos sem receber uma aposentadoria de R$ 4.500,00 pode gerar um prejuízo de mais de R$ 300.000,00 ao segurado. Com este valor, o segurado poderia ter adquirido um imóvel e receber um aluguel em valor superior a diferença da aposentadoria pretendida. E o melhor, ainda teria incorporado um imóvel a seu patrimônio.
Então, levando em conta todas as possibilidades de majoração do tempo de contribuição do segurado, se o mesmo estiver muito distante da aposentadoria pretendida, um profissional habilitado em planejamento previdenciário deve mostrar não só o cálculo dos valores da aposentadoria para hoje, para amanhã e para depois de amanhã, mas também o que o segurado deixará de ganhar dependendo da sua opção e os valores que deverão ser investidos, e se isso será vantajoso a médio e longo prazo.

O planejamento previdenciário não se refere somente ao valor da aposentadoria, mas sobre o “tempo” em recebimento do benefício, sobre o tempo que levará para que o segurado atinja a norma mais benéfica (melhor forma de cálculo da aposentadoria), e sobre o valor do investimento necessário para alavancar o valor da aposentadoria. A idade do segurado no momento da aposentadoria também é importante, pois, se mais jovem, há a possibilidade de que o mesmo continue a trabalhar e a investir o valor total da sua aposentadoria para que, futuramente, una os frutos do investimento a ela. Todas as possibilidades devem ser analisadas, inclusive o perfil pessoal do segurado, para que lhe seja concedido, no tempo ideal, o benefício que mais se adeque às suas particularidades e necessidades.
Planeje seu futuro! Planeje sua aposentadoria!

Dúvidas e sugestões:
[email protected]
Insta: @brandaocanella

Renata Brandão Canella, advogada, mestre em processo civil, especialista em direito do trabalho e direito empresarial, autora e organizadora do livro “Direito Previdenciário, atualidades e tendências” (2018, Ed. Thoth), Presidente da Associação Brasileira dos Advogados Previdenciários (ABAP) na atual gestão (2016-2020).

Renata Brandão

Renata Brandão

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Cotidiano

Sobre as matérias desta edição

Editorial – edição: 873 – sexta-feira, 27/05/22 Olá, querido leitor e cara leitora do JR Neste editorial, abordaremos um pouco das matérias que estão nesta

Religião

Jesus disse ‘sim’

Por Monsenhor José Ágius Nosso catecismo básico diz que Jesus morreu para nos salvar. Difícil é explicar porque ele teve que morrer. Dizer que é