Jesus, Nosso Intercessor

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Colunas
  6. /
  7. Jesus, Nosso Intercessor

Por Humberto Xavier Rodrigues

Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós. Romanos 8:34.

Jesus atravessou os céus em virtude da expiação consumada e ali exerce continuamente Sua perfeita intercessão por nós diante de Deus. Ele está ali como nossa justiça permanente a fim de nos manter sempre na divina integridade de posição e de relacionamento na qual Sua morte expiatória nos introduziu.

Sua ativa intervenção em nosso favor nunca cessa por um momento sequer. Tendo, pois, a Jesus, o Filho de Deus, como grande sumo sacerdote que penetrou os céus, conservemos firmes a nossa confissão.Porque não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi ele tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado. Porque Cristo não entrou em santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para comparecer, agora, por nós, diante de Deus. Hebreus 4:14-15, e 9:24.
Cristo como nosso substituto cumpriu todas as exigências a Ele impostas, quanto ao fato jurídico. Deus tomou o caso em Suas mãos. Sua glória estava em jogo: Sua imaculada santidade, Sua eterna majestade, as sublimes reivindicações de Seu governo. Tudo isso tinha que ser satisfeito numa medida tal que O glorificassem diante de anjos, homens e demônios.

Os nascidos de novo, que foram lavados pelo sangue do Cordeiro se tornam o ponto de convergência do ministério sacerdotal de Cristo, pois, são agora testemunhas vivas da ressurreição. O ponto mais alto do propósito de Deus na vida de Seus filhos é produzir neles a mais plena manifestação de Cristo em cada aspecto do Seu caráter, e isso só pode ser realizado pela operação continua da cruz. “No levar sempre e por toda a parte o morrer de Jesus.”

O que significa isto? Significa que a vida brota espontaneamente. Na medida em que levamos diariamente o morrer de Jesus, estamos dizendo que nada podemos fazer. A morte é o grau mais baixo da fraqueza. Por isso, quando confessamos que morremos, estamos dizendo; Não posso!

Muitos de nós estamos tentando entregar a vida a Deus antes de morrermos para o pecado, a saber: cortados da antiga vida. Uma vez cortados da velha vida, a nova vida se entrega a uma aplicação contínua do morrer de Jesus. Que Deus fale em nossos corações! Amém!!!

Humberto Xavier Rodrigues é formado em Teologia.

Humberto Xavier

Humberto Xavier

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Religião

Jesus disse ‘sim’

Por Monsenhor José Ágius Nosso catecismo básico diz que Jesus morreu para nos salvar. Difícil é explicar porque ele teve que morrer. Dizer que é