Não mais eu, mas Cristo

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Colunas
  6. /
  7. Não mais eu, mas...

Por Humberto Xavier Rodrigues

Em tudo somos atribulados, porém não angustiados; perplexos, porém não desanimados; perseguidos, porém não desamparados; abatidos, porém não destruídos; levando sempre no corpo o morrer de Jesus, para que também a sua vida se manifeste em nosso corpo. 2 Coríntios 4:8-9-19.

Olhando para o contexto, tanto do versículo quanto do capítulo, no qual a expressão está inserida, percebemos o seu significado: Deus usa circunstâncias difíceis para nos quebrar e nos levar ao fim de nós mesmos, para que Cristo seja engrandecido.

Deus trabalha por nós, em nós e através de nós, com o único propósito: que o Seu Filho seja glorificado. De fato, tudo quanto nos sobrevém Deus usa para nos “quebrar”. Muitas vezes procedem do seio da família, dos irmãos ou dos amigos. Deus permite as crises, sofrimentos e provações. Tais acontecimentos são “carruagens ornadas com amor”, que a princípio parecem “castigo divino”, mas têm como propósito bordar o caráter de Cristo em nós.

As crises que enfrentamos tem como único propósito, a saber: nos fazer semelhantes ao nosso Senhor Jesus Cristo: Vós sois a nossa carta, escrita em nosso coração, conhecida e lida por todos os homens, estando já manifestos como carta de Cristo, produzida pelo nosso ministério, escrita não com tinta, mas pelo Espírito do Deus vivente, não em tábuas de pedra, mas em tábuas de carne, isto é, nos corações. 2 Coríntios 3:2-3.

O desejo de Deus é que os nascidos de novo conheçam a boa, perfeita e agradável vontade de Deus, precisamos permitir a operação contínua da cruz em nossas vidas. Para o ego (eu) a vontade de Deus é um fardo pesado, impossível de carregar. Para o ego, a Bíblia é um livro cheio de contradições e um livro fechado.


Por isso, o ego (eu) tem que morrer pra dar lugar a vida de Cristo, o ego pecaminoso jamais compreenderá a vontade de Deus. Para se conhecer a vontade de Deus é preciso uma vida nova e uma mente renovada: Rogo-vos, pois, irmãos, pela misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. Romanos 12:1-2. Amém!

Humberto Xavier Rodrigues é formado em Teologia.

Humberto Xavier

Humberto Xavier

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM: