Não podemos parar na dor

Por Monsenhor José Ágius

Quando os evangelhos foram escritos, as comunidades de discípulos já haviam assimilado o sentido da morte de Jesus. Já tinham superado o “choque”. As comunidades se serviram das palavras das Escrituras para explicar esse sentido. Descobriram na “Palavra e Deus” a resposta para todas aquelas perguntas que os discípulos não conseguiam responder no momento da morte de Jesus.

A liturgia da Sexta – Feira Santa, que celebramos cinco semanas atrás, nos apresentou um dos textos que inspiraram as comunidades na superação do “escândalo” da sua morte na cruz: é o texto que fala do Servo Sofredor, no livro do Profeta Isaías. Neste texto, o Servo Sofredor expia por seu sofrimento os pecados de todos. Para os cristãos, Jesus como “cordeiro” que vai calado ao matadouro, é o “cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”. Não quer dizer que Deus queria se vingar da humanidade e “descarregou a sua ira” sobre Jesus. Ele é visto como o servo cujo sofrimento, ainda que não querido por Deus, foi aceito por ele como uma reparação, um sacrifício que o filho quis livremente oferecer. Por ter sacrificado a si mesmo, aceitando a morte, Jesus se tornou o verdadeiro sacerdote. E a humanidade ficou perdoada de uma vez por todas. É assim que compreendemos a morte de Jesus? Olhando para o Crucificado, vemos nele o amor de um Pai por nós ou um castigo cruel de Deus a seu filho?


Este aspecto de livre entrega de Jesus é a tônica da paixão no evangelho de João. Jesus se entrega livremente. A sua morte não é uma decisão do Pai, decretada desde a eternidade. Tampouco são os homens que lhe “tiram a vida”. É uma opção de Jesus, em favor de toda a humanidade, por amor aos seus. Foi a sua fidelidade ao Pai que levou Jesus a não fugir da morte. Quem decidiu que ele deveria morrer foram as autoridades judaicas, com o aval do povo manipulado e com a omissão do governo romano. Jesus morreu porque foi condenado, vítima da maldade humana. As forças contrárias a ele foram como uma terrível onda que o arrastou para a morte. Mas ao invés de salvar a si mesmo, fugindo da morte, e deixar perder-se seus irmãos, Jesus ofereceu-se e aceitou morrer por amor a nós e por fidelidade ao Pai. É ele que “entrega” a sua vida. Ele sofreu muito antes de tomar essa decisão. Que o diga a agonia no Horto das Oliveiras, onde Jesus pedia ao Pai que afastasse dele o cálice de amargura. Mas ele disse “SIM” na hora certa.

Um antigo pregador cristão, contemplando uma imagem de Cristo crucificado, encontrou esse significado para a cabeça abaixada de Cristo: “Sem poder falar mais com as palavras, Cristo o fez com o gesto: disse “SIM” ao Pai e à humanidade inclinando a cabeça”. Isso nos leva a ter, hoje, atitudes de entrega e de amor aos irmãos e irmãs. Não podemos parar na dor, na cruz, na morte. Só por amor somos capazes de vencer essas coisas tristes da vida.

Monsenhor José Ágius

Monsenhor José Agius Monsenhor

Monsenhor José Agius Monsenhor

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Religião

Mandamento Novo

Por Monsenhor José Ágius Durante muito tempo, a Igreja fomentava uma espécie de individualismo religioso: Eu e Deus, eu e minhas devoções. Alguns chegavam a