O Cenáculo

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

Memórias do Padre Zé

Sempre me preocupei com o problema da falta de vocações sacerdotais e religiosas. Perguntando para as crianças, até mesmo nas classes da catequese, o que querem ser no futuro, respondiam mencionando um monte de profissões, menos ser padre ou freira. Também seus pais pensavam o mesmo: apreciam a vocação do padre ou da freira, mas na família dos outros e não deles. Minha conclusão era que faltava ambiente vocacional entre adolescentes e jovens. Então, pensei em tentar formar, com a ajuda dos leigos e leigas, este ambiente.

O arcebispo Dom Albano Cavallin admitindo os candidatos ao Cenáculo


Acontece que um grupo de jovens, com profunda espiritualidade, estava procurando um sentido para suas vidas e se reuniam comigo com frequência, visando formar uma comunidade de “Fé e Vida” diferente da estrutura do seminário tradicional. O grupo, liderado pelo jovem José Bach e orientado por mim, foi se aprofundando em questões religiosas, notadamente vocacional, tendo em mente o problema crônico da falta de sacerdotes na Arquidiocese.
Depois de trocar ideia com meu amigo Monsenhor Vitor Groppelli, o qual era Vigário Geral da Arquidiocese, aconselhei os jovens que tinham o mesmo ideal e a mesma disponibilidade e colocarem em prática a ideia de viver em “Comunidade de Vida”. Dei as devidas orientações e comuniquei ao Arcebispo Dom Geraldo Majela Agnelo. O qual encampou a iniciativa e fez questão de ser seu diretor.

E, enquanto os 9 jovens idealizadores faziam reuniões de formação permanente comigo ou com o próprio Arcebispo uma casa pertencente à Paróquia São José foi sendo reformada e ampliada para abrigar o “Cenáculo”, nome dado à Comunidade pelo próprio Dom Geraldo Majela Agnelo para lembrar a primeira comunidade dos discípulos de Jesus. que se reunia no Cenáculo de Jerusalém, conforme o livro dos Atos dos Apóstolos 1, 14: “Todos eles perseveravam na oração em comum, junto com algumas mulheres, entre elas Maria, mãe de Jesus”.

A iniciativa da respectiva reforma desta casa tem sido possível graças ao interesse e dedicação de José Antônio (Nico) Vanzella e sua esposa Luzia e com a colaboração do construtor Braulino Dezan. A casa fica nos fundos do “Centro de Pastoral João de Deus”. A Paróquia arcaria com as despesas com zeladora, água e luz, enquanto todos os demais gastos de manutenção ficariam por conta dos próprios Cenaculistas, sob a coordenação de Jose Bach. No dia 18 de março de 1989, o Sr. Arcebispo Dom Geraldo Majela procedeu com a bênção e consagração das instalações e se comprometeu de ele próprio vir, aos sábados, ministrar a devida formação.

Em 1991, Dom Geraldo Majela foi convidado pelo Santo Padre, o Papa, para ir ao Vaticano e assumir o cargo de Secretário Geral da Congregação dos Ritos e disciplina dos Sacramentos e, como sucessor, foi nomeado Dom Albano Cavallin. Este deu grande apoio ao Cenáculo e começou a colher alguns frutos. Já cinco anos depois de ter sido fundado, o Arcebispo Dom Albano, no dia de São José, 19 de março de 1994, teve a alegria de admitir no Cenáculo 10 novos integrantes e apresentar 3 candidatos à Teologia, entre os quais o Padre José Bach. É muito importante lembra que do Cenáculo saíram quatro Padres.

Monsenhor José Agius Monsenhor

Monsenhor José Agius Monsenhor

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

FOTO(S) DESTA MATÉRIA

VEJA TAMBÉM:

Colunas

A Torre dos Sinos

Memórias do Padre Zé Observando atentamente os documentos históricos guardados no arquivo paroquial, reparei que na planta original da Igreja Matriz São José já constava

Colunas

Mais Excelente Nome

Por Humberto Xavier Rodrigues Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do