O Pai Nosso

Por Monsenhor José Ágius

O próprio Jesus nos ensina como devemos rezar. E cada frase por ele ensinada tem significado profundo. Ele nos ensina a dizer:

“Pai Nosso”: não exatamente meu ou seu, mas de todos. De Cristo em primeiro lugar e de todos os homens e mulheres, pois todos somos filhos e filhas de Deus por Cristo, com Cristo e em Cristo. Chamar a Deus de Pai já não é para nós uma ousadia, um atrevimento; é sim a expressão dos sentimentos filiais que nutrimos para com ele, e esta atitude filial nos foi ensinada pelo próprio Jesus.

“Que estais no céu”: o nosso Pai comum está nos céus, isto é, em todos os lugares, pois onde Deus está, aí está o céu; está em nossa vida com todas as alternativas, de maneira que nada nos pode suceder sem que estejamos protegidos pelo Pai, sustentados pelo Pai, amados pelo Pai.

“Santificado seja o vosso nome”: é a revelação definitiva de Deus aos homens e mulheres, mas essa revelação fará com que todos nós humanos reconheçamos a Deus e lhe ofereçamos o amor do nosso coração.

“Venha a nós o vosso reino”: o reino de Deus que pedimos é o Reino que Jesus veio instaurar e que é reino de justiça, de verdade, de amor e de paz. Isto é o que pedimos no Pai nosso, ao pedirmos que venha a nós o seu Reino.

“Seja feita a vossa vontade”: a vontade de Deus é a que justifica, a que ordena as coisas, a que santifica os seres humanos, porque o ser humano será tanto mais santo quanto mais fiel se mostre à vontade do Pai celestial.

“O pão nosso de cada dia nos dai hoje”: sob o nome de pão entende-se tudo o que é necessário para a subsistência; com isto, pedimos a Deus o sustento indispensável e tudo aquilo de que necessitamos para poder levar uma vida honrada e humana.

“Perdoai-nos as nossas ofensas”: nossas ofensas, nossos pecados, tudo com que possamos ofender a ele diretamente, ou a ele em nossos irmãos e irmãs. E para inclinar mais a vontade de Deus para nosso perdão, acrescentamos:

“Assim como nós perdoamos aos que nos têm ofendido”: é a condição que nós mesmos colocamos, para conseguir de Deus nosso perdão.

“E não nos deixeis cair em tentação”: não pedimos para livrar-nos das tentações, que às vezes poderão ser até convenientes ou mesmo necessárias, e sim que não caiamos nelas.

“Mas livrai-nos do mal”: afastai de nós quanto nos possa induzir ao mal, não permitais que nos atinjam as sugestões do mal.

ASSIM SEJA!

Monsenhor José Ágius

Monsenhor José Agius Monsenhor

Monsenhor José Agius Monsenhor

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

vagas de emprego

JORNAL DE ROLÂNDIA – VAGAS SINE

CONFIRA AS VAGAS DISPONÍVEIS PARA ESTA SEXTA-FEIRA, 20/05 Assistente Administrativo/ PPCP Assistente Téc. Seg. Trabalho Auxiliar de contabilidade*** Auxiliar de Mecânico Diesel Auxiliar de Produção Auxiliar