PENSÃO POR MORTE PÓS-REFORMA DA PREVIDÊNCIA

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Colunas
  6. /
  7. PENSÃO POR MORTE PÓS-REFORMA...

Por Larissa Domingues Correia – Brandão Canella Advogados

Sem sombra de dúvidas, o benefício previdenciário de pensão por morte foi um dos mais atingidos pela Emenda Constitucional de nº 103/2019, que instituiu a Reforma da Previdência do Regime Geral da Previdência Social.
Tal afirmação se justifica por ter sido a pensão drasticamente penalizada quanto à forma de cálculo de seu coeficiente.
De início, vale pontuar que o benefício é concedido aos dependentes do contribuinte que vier a falecer detentor de qualidade de segurado ou aposentado.

Anteriormente, se o segurado falecesse aposentado, seus dependentes receberiam o valor integral de sua aposentadoria. Caso o segurado não fosse aposentado, a pensão seria calculada com base no valor ao qual teria direito a título de aposentadoria por invalidez na data do óbito.

Com a reforma, a pensão passou a ser no valor de 50% (cinquenta por cento) da aposentadoria recebida pelo falecido ou daquela a que teria direito se fosse aposentado por invalidez (incapacidade permanente) na data do óbito, acrescido de 10% (dez por cento) por dependente, até o limite de 100% (cem por cento).

A título exemplificativo, um segurado aposentado que veio a falecer – a partir de 13/11/2019 – e deixou apenas sua esposa como dependente para fins previdenciários, deixará uma pensão no valor de 60% da aposentadoria que recebia. Revoltante não?

Se o percentual resultar em valor inferior ao salário-mínimo, o benefício será arredondado para o valor do salário-mínimo nacional vigente.

Outro aspecto dessa alteração legislativa que também merece ser objeto de indignação, se dá pela impossibilidade do acúmulo (soma) integral da aposentadoria recebida pelo dependente com o valor concedido da pensão por morte, a depender dos valores.

Diante das bruscas mudanças, em especial, quanto a proporcionalidade do valor concedido a um dependente que acabou de perder um ente familiar que contribuía para com o sustento do grupo familiar, passou-se a questionar a legalidade das alterações trazidas pela Reforma neste tocante, haja vista ter suprimido preceitos e garantias constitucionais.

Nessa linha de raciocínio, a Turma Recursal de Sergipe entendeu por declarar que as alterações trazidas pela EC 103/2019 para os casos de pensão por morte vão ao contrário do disposto na Constituição Federal. E, portanto, não passíveis de serem aplicadas, devendo continuar a viger as regras anteriores à sua promulgação, ou seja, ser a renda mensal inicial da pensão concedida em 100% do valor recebido como aposentadoria pelo segurado falecido ou ao qual teria direito se fosse aposentado por invalidez.

O julgado acima ainda é um caso isolado, contudo, não se pode negar que se trata de um importante precedente para a classe previdenciária, eis que oportunizará o ajuizamento de revisões de pensões concedidas na vigência da EC 103/2019, a fim de que sejam recalculadas e, por conseguinte, concedidas nos parâmetros da legislação anterior.

Larissa Domingues Correia, advogada – Brandão Canella Advocacia

Dúvidas e sugestões:
[email protected]
Insta: @brandaocanella

Renata Brandão

Renata Brandão

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Cotidiano

Sobre as matérias desta edição

Editorial – edição: 873 – sexta-feira, 27/05/22 Olá, querido leitor e cara leitora do JR Neste editorial, abordaremos um pouco das matérias que estão nesta

Religião

Jesus disse ‘sim’

Por Monsenhor José Ágius Nosso catecismo básico diz que Jesus morreu para nos salvar. Difícil é explicar porque ele teve que morrer. Dizer que é