Quando a gentileza acontece…

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Colunas
  6. /
  7. Quando a gentileza acontece…

Por Carla Kühlewein

O que você faria se encontrasse uma nota de cinquenta reais no chão? Procuraria encontrar o dono (se é que isso é possível) ou discretamente embolsaria (afinal cédula não tem endereço)? Uma dica de resposta à tão intrigante questionamento é oferecida no livro ‘E algo aconteceu naquele dia…’, de Jonas Ribeiro. E aí você pode até se perguntar: mas como, bolotas, uma história infantil poderia responder a uma pergunta dessas?

Calma lá, que tudo se ajeita… O livro começa com a façanha do menino Nicholas que encontra uma nota de cinquenta reais caída no pátio da escola e a entrega para Sandra, a coordenadora. Ao sair da sala, ele fica satisfeito com sua atitude. Enquanto a coordenadora:

“nem percebeu que Nicholas havia plantado uma invisível flor de esperança sem seu coração. Ela sentia que estava muito feliz. E algo aconteceu…”

Logo em seguida, Sandra pega um livro da bolsa e o entrega à amiga Dulce, que enfrentava o desafio de lidar com as novas condições do pai com Alzheimer. E não é que Dulce também sentiu algo diferente no gesto da amiga?

“Ela sentia apenas que estava muito feliz. Sugeriu à mãe que se deitasse um pouco e deu um banho no pai. Depois, sentou-se com ele. Abriu o livro e começou a ler em voz alta. […] Ficaram entretidos com a leitura por um bom tempo. O dia entardeceu. E algo aconteceu…”.

Então Dulce fez um bolo e o ofereceu ao primo Guilherme, que deu um pedaço a um mendigo, que o repartiu com sua família… e uma sequência de gentilezas acontece até atingir um final surpreendente (vale a pena conferir no livro!). De alguma forma, a história que começou com um gesto simples gera uma série de outros que resultam em efeitos grandiosos.

Como diria o poeta popular José Dautrino: “gentileza gera gentileza”. No fim das contas, quando a gentileza acontece, convém retribuir.

Carla Kühlewein É graduada em Letras Vernáculas e Clássicas (UEL), Mestre em Teoria Literária e Literatura Comparada (Unesp) e Doutora em Literatura e Vida Social (Unesp).

Carla Kühlewein

Carla Kühlewein

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Cotidiano

Sobre as matérias desta edição

Editorial – edição: 873 – sexta-feira, 27/05/22 Olá, querido leitor e cara leitora do JR Neste editorial, abordaremos um pouco das matérias que estão nesta

Religião

Jesus disse ‘sim’

Por Monsenhor José Ágius Nosso catecismo básico diz que Jesus morreu para nos salvar. Difícil é explicar porque ele teve que morrer. Dizer que é