Romance autoral: Os 10 filhos de Matilde

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Colunas
  6. /
  7. Romance autoral: Os 10...

Jornada Literária – por Ana Paula Silva

Talvez para Matilde ter um filho pudesse torná-la pura novamente. A dor e o sofrimento do parto poderiam isentá-la de toda a culpa existente dentro de si. Então, mais uma vez, pela décima vez, estava Matilde barriguda. Cada chute, movimento ou contração era para ela a remissão de seus pecados.

À noite, enquanto preparava comida para 5 crianças, já que quatro tinham morrido, umas no parto outras no nascimento, Matilde cantarolava sentindo-se pura e angelical. Logo chegaria mais um bebê que a livraria de todo mal. Pensava consigo em todas as coisas boas que poderia fazer a partir de sua remissão, como mãe. Pensou em estudar, pensou em criar hábitos, pensou em começar um empreendimento, pensou, pensou, pensou, parou.

A dor recorrente, aumentando a cada minuto, era sinal de que a hora da purificação havia chegado. Desligou o fogão, avisou a filha mais velha, de 9 anos, que teria de sair rapidamente para que cuidasse dos irmãos.

Banhou-se silenciosa, sofrendo calada seu martírio, pegou a bolsa, os documentos, uma sacola com roupas suas e do bebê, encaminhou-se vagarosa a porta e saiu caminhando pela rua. A noite estava escura, fria, pura. Uma paz tomou conta de seu coração e lá foi ela percorrendo sua “Via Sacra”, daria luz a mais um anjo, pensava, seria novamente limpa e pura, cada passo uma contração, cada contração um sorriso envolto em lágrimas de dor e alegria.

O suor percorria a face negra, agora pálida, as mãos seguravam-lhe as ancas e os olhos vislumbravam a maternidade. Ao deparar-se com a porta do hospital, Matilde repreendeu- se, não teria sofrido o suficiente para se redimir. Que mal todo era esse que praticara para proporcionar a si tal flagelo? Olhou a barriga, sentiu o bebê contorcendo-se para sair, mas sentia-se despreparada, sentia-se imunda. Teria de sofrer mais, afastou-se da porta do hospital, direcionou- se à mata, conservada ao lado para verificar um “ar” de elegância ao local, inútil, a precariedade era perceptível, deitou-se ao pé de uma araucária, sofreu pelos seus pecados, gritou, chorou, sorriu e, por fim, expeliu um bebê convulso em lágrimas e envolvido em líquido. Sentiu-se pecadora novamente, precisava de um novo bebê.

Ana Paula Silva

Ana Paula Silva

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

VEJA TAMBÉM:

Colunas

A Torre dos Sinos

Memórias do Padre Zé Observando atentamente os documentos históricos guardados no arquivo paroquial, reparei que na planta original da Igreja Matriz São José já constava

Colunas

Mais Excelente Nome

Por Humberto Xavier Rodrigues Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as coisas pela palavra do