Round 6 – o Jogo da Lula

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Colunas
  6. /
  7. Round 6 – o...

Por Samuel M. Bertoco

Se você vive no planeta Terra já deve ter ouvido falar da nova – mais uma – série modinha: Round 6. A série coreana se tornou a mais vista da Netflix, longe da segunda colocada. Então, nesse caso, ela mereceu uma análise minha (rá).
A trama: um monte de endividado, ferrado na vida, é convidado prum jogo onde o vencedor leva uns 50 milhões. O que eles não sabem é que o jogo vale, literalmente, a vida deles. E o que sobrar – ou os que sobrarem – abocanham a bolada.

Essa trama de colocar uma galera numa arena – seja ela qual for – pra se matar até que alguém vença não é nova. Foi extrema em Jogos Mortais, foi blockbuster em Jogos Vorazes e foi ruim a maioria das outras vezes. E Round? Oscila entre o genial e o muito ruim, tem qualidades dignas de Breaking Bad e defeitos que dá vontade de jogar a TV no mato. E o saldo final é bem estranho, mas bom. E aí, depois que acaba a série a gente percebe que ela é assim mesmo…estranha e boa.

A série começa morna – chata, na real – mas é importante para conhecermos um pouco os personagens – principalmente o protagonista. É sempre nessas horas em que não precisa ser especial que a gente vê a diferença das ótimas produções americanas para as de outros lugares – La Casa de Papel sofre do mesmo problema. Aí então vemos que os tais jogos são brincadeiras de criança: Cabo de Guerra, Batatinha 123, Bolinha de Gude…a sacada é que quem perde morre, simples e terrível assim. O visual da série é outro acerto monstro. Tudo coloridinho, ou dourado demais, ou escuro demais; impactante.

O primeiro capítulo dentro da ilha onde rola a parada é ótimo, aí vai dando uma decaída…até o episódio da bolinha de gude…Jesusssss…aí sim, compreendi o hype que a série estava espalhando. Se ela não se mantém tão espetacular nos próximos episódios, consegue se manter ao menos ótima até o final. O final alias, é ambíguo, uns gostaram outros não, achei de boa.

Ah, também tem a história de um detetive que invade o lugar atrás do irmão dele, mas é ruim e não importa.

Samuel Bertoco

Samuel Bertoco

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Cotidiano

Sobre as matérias desta edição

Editorial – edição: 873 – sexta-feira, 27/05/22 Olá, querido leitor e cara leitora do JR Neste editorial, abordaremos um pouco das matérias que estão nesta

Religião

Jesus disse ‘sim’

Por Monsenhor José Ágius Nosso catecismo básico diz que Jesus morreu para nos salvar. Difícil é explicar porque ele teve que morrer. Dizer que é