No mapa do Paraná e incêndio

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Cotidiano
  6. /
  7. No mapa do Paraná...

Editorial – Edição: 843 – sexta-feira, 01/10/21

Olá, querido leitor e cara leitora do JR

A julgar pelos acontecimentos desta semana, qualquer um diria que Rolândia realmente está no mapa do Paraná e no radar do Governo do Estado. Na quarta-feira, a primeira-dama do Paraná, Luciana Saito Massa, vem ao município para fazer o lançamento oficial do progama Paraná Rosa para todo o Estado.

Os olhos do Paraná, principalmente por causado do Outubro Rosa, se voltaram para Rolândia por causa desse evento.
Um dia depois, foi a vez do marido de Luciana, o governador Ratinho Junior, vir à Terra do Guerreiro Roland, também conhecida como Rolândia. O governador veio a Arapongas pela manhã, almoçou com empresários e políticos rolandenses, e da região, em Rolândia, e entregou dois “Meu Campinho” no município.

Além disso, também oficializou o recurso para o término do CMEI do Perazolo e chegou a falar de 400 casas para Rolândia, sem dar muitos detalhes. Devem ser da Cohapar. No almoço, falou sobre empregos e empresas, falou de corredor industrial – de Ibiporã a Marialva, passando por Rolândia.

Mas o governador também ouviu. Ouviu agradecimentos dos empresários, de prefeitos, de deputados. Acima de tudo, ouviu da boca de um empresário a palavra presidência. Muitos aplaudiram. Quando voltou a falar, lembrou que a eleição está muito longe e tem muito trabalho a fazer. Foi comedido e inteligente.

E o fogo?
E o incêndio ocorrido na quarta-feira na empresa de reciclagem da avenida Esplanada? Começou antes das 15 horas da quarta e terminou um pouco antes da 2 horas da manhã da quinta. Foram quase 12 horas de chamas e muita, mas muita, fumaça.

Essa fumaça pode ser vista de outras cidades como Londrina e Cambé. Os bombeiros usaram 60 mil litros de água e 600 litros de líquido gerador de espuma. Trabalharam no local até as 1h30 da madrugada do outro dia.

Como o fogo começou? Ninguém sabe e, se souber, não vai falar. Algumas pessoas falaram em fogo no mato que ‘pulou’, com a ajuda do vento, para o material reciclável da empresa. Foi como fogo na palha (trocadilho horrível).
Se o fogo veio do mato, a próxima pergunta é se foi feito por interferência humana ou se foi por combustão espontânea.

Uma coisa é certa, sempre há fogo ateado naquela região, queimando árvores e matos. Agora, o prejuízo também foi material, além do crime ambiental. Por isso, nossa birra com os fogos ateados para limpar mato e terrenos. Se você vir alguém ateando fogo, no quer que seja, avise ao Meio Ambiente. Se quiser, só tire a foto do local queimado e leve até lá a prova do crime.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Religião

Jesus disse ‘sim’

Por Monsenhor José Ágius Nosso catecismo básico diz que Jesus morreu para nos salvar. Difícil é explicar porque ele teve que morrer. Dizer que é