Trânsito de Rolândia pede mais atenção as suas regras

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Cotidiano
  6. /
  7. Trânsito de Rolândia pede...

Mudanças para mão únicas ignoradas e sinalização que não são obedecidas se tornam mais frequentes entre os motoristas rolandenses

Basta dar uma volta por Rolândia para perceber que muitos motoristas não obedecem à sinalização e também não ‘se atualizam’ sobre as mudanças no trânsito da cidade, que têm acontecido com mais frequência atualmente. Para se ter uma ideia, um trecho da rua Capitão Chagas é mão única há alguns meses e ainda há condutores que insistem em andar na contramão.

Faixa do meio é exclusiva para se virar à esquerda e não para se seguir em frente; local recebe muitas críticas por conta dessa sinalização

Sinalização inócua
A rua Barão de Rio Branco, ao lado da Comercial Ivaiporã, é um bom exemplo de como a sinalização não é obedecida em Rolândia. No local, para quem vai em direção ao centro, há um semáforo e uma sinalização pintada no chão que indica onde cada veículo deve ficar, dependendo de que rumo o motorista quer tomar. A faixa da direita é para quem vai virar à direita (na Pres. Vargas) e ou para quem vai reto na rua Willie Davids. Já a faixa central é exclusiva para quem vai virar à esquerda na mesma Presidente Vargas. O que acontece? Muita gente que vai reto fica na faixa central e ‘atrapalha’ que pretendia virar à esquerda. As faixas no chão são bem claras.

Nova mão única
Nesta semana, a Secretaria de Serviços Públicos pintou nova sinalização na rua Paranaguá e transformou um trecho dessa rua em mão única. A partir de agora, cerca de 80 metros dessa rua, que fica ao lado da praça japonesa, terá sentido apenas centro bairro. Esse trecho fica entre a Avenida Presidente Bernardes e a Rua Marechal Floriano Peixoto. Para deixar mais claro: logo após a Panificadora Roland. Quem vem pela Paranaguá não pode seguir reto quando passa o templo Budista Soto Zenshu Dokozan Bushinji: terá de virar à direita ou à esquerda na Floriano Peixoto.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Religião

Jesus disse ‘sim’

Por Monsenhor José Ágius Nosso catecismo básico diz que Jesus morreu para nos salvar. Difícil é explicar porque ele teve que morrer. Dizer que é