Adélia Prado e a Fala da Alma: uma breve análise*

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Cultura
  6. /
  7. Adélia Prado e a...

Jornada Literária – por Ana Paula Silva

Escritora Adélia Prado

Hoje vamos nos direcionar para o mundo da poesia, falaremos de Adélia Prado, autora, mulher, mineira e extremamente produtiva no mundo da poesia, da prosa e da crítica literária. Encaminharemos nossa reflexão, mais especificamente, para a análise do poema “Anímico”, disponível na Reunião de Poesia do Grupo Editorial Record.

Primeiro é importante colocar que o título Anímico é relativo à alma, algo espiritual, vivo, pulsante. E desde o início do poema: “Nasceu no meu jardim um pé de mato/que dá flor amarela”, é possível observar as ambivalências, pé de mato/flor, essa construção permite a valorização da vida natural que nasce sem intenção, ou seja, ninguém plantou a flor, mesmo assim ela brotou em um ambiente rude, nada propício para uma flor amarela delicada.

Nesse sentido, seguindo a ideia de vida pulsante, a autora coloca em um outro trecho: “Toda manhã vou lá pra escutar a zoeira/ da insetaria na festa”. Podemos observar, a diversidade de vidas em um ambiente tão pequeno, mais adiante, Adélia amplia essa realidade para uma visão ampla da atmosfera “é grão de poeira de pólen na fogueira do sol”, é possível notar que o eu lírico analisa a vida existente em uma flor e amplia sua visão para o mundo ao seu redor e os efeitos dessa vida em seus sentidos: audição, com a zoeira dos insetos, a visão, na cor da flor, o olfato, no cheiro subentendido do pólen. Todas essas sensações propiciam uma imersão do leitor na vida anímica narrada. Causa uma ligação com a pureza espiritual da natureza, como algo que traz paz, calma e que se harmoniza nas relações entre os diversos seres que compõe esse meio.

No final, nos deparamos com a seguinte frase: “Parece que a arvorinha conversa”. O verbo conversar, ação humana, é atribuído à planta, isso traz um efeito de vida. Essa “humanização” aproxima a “arvorinha” da nossa concepção humana de vida e, por conseguinte, ilustra as diversas almas que ali habitam e conversam entre si.
Recomendo a leitura completa dos poemas de Adélia Prado e adianto que será uma jornada inesquecível.

Boas Leituras!

*publicado em 06/08/21

Ana Paula Silva
Formada em Pedagogia e Letras e mestranda em Estudos Literários

Ana Paula Silva

Ana Paula Silva

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Religião

Jesus disse ‘sim’

Por Monsenhor José Ágius Nosso catecismo básico diz que Jesus morreu para nos salvar. Difícil é explicar porque ele teve que morrer. Dizer que é