Jornada Literária – por Ana Paula Silva

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Cultura
  6. /
  7. Jornada Literária – por...

  Ainda na nossa caminhada historiográfica da literatura, hoje falaremos sobre uma poetisa, romântica e apaixonada, Laura Santos.
    Nascida em Curitiba, foi muito participativa no campo das letras paranaense, mas infelizmente não foi reconhecida em sua época. Vale relembrar sua obra, pois faz parte de uma das representantes negras da literatura do nosso estado, contudo, não apenas por isso, também por escrever obras enigmática e de teor erotizado.
    Por ser uma escritora do século XX, talvez esse seja um dos motivos de não ter conseguido visibilidade, entretanto, levando em consideração a história das mulheres na literatura, é possível observar que existem diversos fatores que as excluem dos holofotes literários, não apenas o estilo de escrita, mas isso é assunto para outro momento.
    No poema “Alguém”, publicado no livro Um século de poesia, Laura expõe uma linguagem livre de taxativos, isto é, por meio da poesia, é possível observar uma escrita à frente de seu tempo. Pois, relata uma pessoa em busca de saciar seus desejos. Sem nome ou descrição precisa, desnuda, vivendo intensamente as paixões carnais, que procura no amor a saciedade, traços incomuns na literatura feminina desse período. Mas, que promovem grande singularidade para a obra da autora.
    No poema em questão, o enredo trata do desejo não concretizado, a forma como a autora descreve “nunca há de alcançar o beijo que procura”, também sugere que esse beijo tão esperado gera um conflito pessoal, outro fator importante é a comparação entre o beijo e a fome, como se ambos estivessem em um mesmo plano de necessidade humana. As rimas estruturadas perfeitamente causam identidade sonora entre os versos e promovem musicalidade na leitura que coaduna com o tema abordado.
    Toda a obra da autora possui esse aspecto romantizado e até mesmo picante, para os estudos de gênero, isto é, aqueles que abordam a condição da mulher na sociedade, essa autora pode ser considerada uma transgressora de sua época e um ícone da literatura feminina paranaense. Espero que busquem mais obras dela.
Boas Leituras!!
Ana Paula Silva  Formada em Pedagogia e Letras e mestranda em Estudos Literários

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Religião

Jesus disse ‘sim’

Por Monsenhor José Ágius Nosso catecismo básico diz que Jesus morreu para nos salvar. Difícil é explicar porque ele teve que morrer. Dizer que é