Alunos do Souza Naves: consumismo e a Carta do Leitor

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Educação
  6. /
  7. Alunos do Souza Naves:...

Além do gênero textual em questão, projeto aborda a temática do consumismo na infância: melhores cartas vão aparecer aqui no JR

Professora Ana Eloisa com seus alunos e alunas do 8º ano do Souza Naves

Cerca de 92 alunos das turmas do 8ª ano do Colégio Estadual Souza Naves, de Rolândia, participam do projeto de Carta do Leitor, promovido pela professora de Língua Portuguesa e Inglesa, Ana Eloisa Garcia Salvador. Além do gênero estudado, um tipo de carta veiculada geralmente em jornais e revistas em que os leitores podem apresentar suas opiniões, o projeto está proporcionando que os estudantes abordem a temática do consumismo na infância, fazendo uma reflexão sobre esse problema social.

Segundo a professora Ana Eloisa, o trabalho foi iniciado a partir da Resolução 163 do Comanda (Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente), que dispõe sobre a abusividade do direcionamento de publicidade e de comunicação mercadológica à criança e ao adolescente. Além da Resolução, os alunos também assistiram a um vídeo sobre o consumismo infantil e seus prejuízos na formação das crianças. Durante as aulas, os alunos foram levados a refletir e encontrar caminhos para evitar o consumismo desde a infância.

“Os alunos foram muito participativos, aliás, essa é uma grande qualidade das minhas turmas neste ano. Eles demonstram uma noção muito boa dos temas com os quais trabalhamos e que afetam a sociedade contemporânea. Em seguida, trabalhamos o lugar da publicidade na liberdade de imprensa, quando os alunos compreenderam a importância em termos uma imprensa livre e também em termos o poder de voz para nós expressarmos. Então, chegamos no gênero textual Carta do leitor”, explica a educadora.

Em um primeiro momento, foi passado para os alunos a definição desse gênero. Eles aprenderam que há um lugar específico nos jornais e revistas impressos ou digitais para esse fim, que as cartas são selecionadas antes de serem publicadas, que essas cartas são um feedback da confiabilidade do leitor no jornal ou revista em que é publicada e aprenderam também as características que compõem o texto.

“Para iniciar o trabalho, os alunos tiveram que responder a quatro perguntas que os ajudaria a elaborar melhor o texto: Qual é o público leitor do texto? Que linguagem vou empregar? Que estrutura o texto vai ter? Onde o texto vai circular? O tema proposto para a carta do leitor foi consumo x consumismo, uma vez que, ao trabalharmos o consumismo, trabalhamos também o que é consumo”, especifica Ana Eloisa.

Para responderem às quatro questões, a professora Ana Eloisa relembrou com os alunos alguns pontos que eles já tinham estudado para que tivessem um direcionamento ao produzirem a carta. “Falamos sobre o que é consumo, o que é consumismo, os prejuízos do consumismo para a vida financeira das pessoas e também para o planeta, a importância de educar as crianças desde cedo a consumirem com consciência e as vantagens de consumirmos com equilíbrio”, ressaltou a docente.

Além disso, durante o projeto, as turmas ainda estudaram o poema “Eu, etiqueta”, de Carlos Drummond de Andrade, que mostra um eu-lírico que sente uma propaganda ambulante ao usar roupas e sapatos com marcas conhecidas.

“Nessa aula dialogamos bastante sobre o consumismo entre os adolescentes e, mais uma vez, boa parte dos alunos demonstraram uma boa consciência na hora de gastarem seu dinheiro. Importante destacar que, nesse processo todo, os alunos aprenderam coesão e coerência e sua importância para um texto bem elaborado”, lembra a professora.

Cartas no JR
Vale dizer que o JR também está bem envolvido com esse projeto, pois algumas das melhores cartas feitas pelos alunos vão aparecer no jornal.

“Eles souberam que, após escreverem a carta do leitor, seria feito uma análise, e a melhor carta de cada uma das três turmas seria escolhida para ser publicada na edição impressa e digital do JR”, concluiu a professora.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

VEJA TAMBÉM: