CE da Câmara ouve secretária de Educação

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Educação
  6. /
  7. CE da Câmara ouve...

Leise Camargo será ouvida nesta sexta-feira pela Comissão Especial do Legislativo, que analisa o Ato Administrativo de 2012 da pasta

A Comissão Especial (CE) da Câmara de Rolândia, que analisa o Ato Administrativo de 2012 na Educação, ouve a secretária de Educação, Leise Camargo, nesta sexta-feira (17).  Na semana passada, também na sexta-feira, os membros da Comissão já tinham ouvido a diretoria do Sindicato dos Servidores Municipais de Rolândia (Sisrol). “As informações dadas pelo Sisrol foram importantes para começarmos a entender todo o processo realizado”, afirmou a vereadora Cristina Pieretti, relatora da Comissão.

A presidenta da CE, Janaina Beneli, e a relatora Cristina Pieretti ouvem o presidente do Sisrol, Eduardo Giesen

A CE também expediu dois ofício: um para a própria Câmara de Vereadores e outro para o Ministério Público. “O ofício para a Câmara é para saber se o ex-vereador Fábio Nogaroto (já falecido) tinha feito alguma coisa sobre essa assunto do Ato Administrativo, pois dizem que ele fez algo. Só que não conseguimos achar nada”, ressaltou a relatora. O ofício para o MP é também para saber se o Ministério tem algum processo ou ação sobre o Ato de 2012.

A Comissão Especial deve ter uma nova etapa de estudos na próxima semana, o que permitirá coisas novas sobre o tema. Para quem não se lembra, o Sisrol é responsável pelo requerimento protocolado em julho em que pedia que um dos vereadores propusesse a abertura de uma CE com tal fim.

Nesta sexta, a CE completa 49 dias desde a sua abertura, no dia 02 de agosto. A CE tem duração inicial de 60 dias e pode ser prorrogada apenas uma vez, pelo mesmo período. A prorrogação deve acontecer, já que restam 10 dias para o término do prazo.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Religião

Jesus disse ‘sim’

Por Monsenhor José Ágius Nosso catecismo básico diz que Jesus morreu para nos salvar. Difícil é explicar porque ele teve que morrer. Dizer que é