UEL: Ex-aluna do Kennedy recebe láurea acadêmica

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Educação
  6. /
  7. UEL: Ex-aluna do Kennedy...

Beatriz Signori Lonardoni recebeu a honraria pelo desempenho em Matemática; colégio homenageou ex-aluna na última sexta

Na sexta-feira (03), o Colégio Estadual Presidente Kennedy, de Rolândia, fez uma homenagem à ex-aluna Beatriz Signori Lonardoni (22). Beatriz recentemente se formou com láurea acadêmica pela Universidade Estadual de Londrina (UEL) no curso de Matemática.

O anúncio da láurea ocorreu durante a sua colação de grau, feita de forma online, e trouxe muita alegria para Beatriz e seus pais, Laércio e Sirlene. “Quando o representante do reitor fez o anúncio foi uma surpresa. Eu não tinha nem ideia que ia ser algo que repercutiria assim. É algo muito gratificante também, e que deixou meus pais cheios de orgulho”, ressaltou a laureada. No momento o anúncio, também estavam juntos a irmã Giulia e o namorado Douglas.

A láurea acadêmica é uma honraria concedida pela Universidade em reconhecimento ao desempenho acadêmico do aluno durante a graduação. A área de Exatas, tradicionalmente um território de “homens”, dessa vez teve um destaque feminino, e que destaque: Beatriz foi laureada por ter a média 9,278 em Matemática.

No futuro, a estudante, que está concluindo a Licenciatura, pretende seguir na área acadêmica. Recentemente, foi aprovada no Mestrado em Matemática Aplicada e Computacional, no Programa de Pós-Graduação em Matemática Aplicada e Computacional (PGMAC), ofertado pelo CCE. “No futuro pretendo passar em um concurso e dar aulas em uma universidade”, revelou Beatriz.

A ex-aluna do Kennedy entrou no ensino superior em 2017 com muito entusiasmo pela pesquisa. Teve o reconhecimento merecido por apresentar junto com outra colega, Giovanna Pimenta Barbarino, que cursou a disciplina de Física, as melhores médias de suas turmas. “Eu sabia que não seria fácil, mas, ao entrar, tive certeza. Na licenciatura, ainda há mais mulheres, mas no bacharelado a relação é inversa. Entre o corpo docente também não há muitas mulheres. Isso já me chamou a atenção logo de cara”, explicou.

Já durante a graduação, a estudante conta que teve de se readaptar na rotina de estudos quando o ensino remoto recomeçou. “No curso de Matemática, temos muitas disciplinas teóricas, então a parte de laboratório não foi tão prejudicada. Mas, teve toda a dificuldade de lidar com os estudos em casa, de criar uma rotina diferente”, compartilhou.

Beatriz conta que sempre gostou da matéria desde que estudava no Kennedy e que desde muito nova já se identificava com a disciplina de Exatas. “No colégio sempre foi a matéria que eu tinha mais facilidade. Estudei no Kennedy da quinta série até ao terceiro ano do ensino médio. Tenho muitas lembranças dos meus professores dessa época, como o professor Marino, a professora Adriana Strassacapa, Ana Regina, Ana Claudia, a professora Meire de Matemática. Nunca esqueci de nenhum deles, todos foram muito importantes na minha formação”, concluiu.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Religião

Jesus disse ‘sim’

Por Monsenhor José Ágius Nosso catecismo básico diz que Jesus morreu para nos salvar. Difícil é explicar porque ele teve que morrer. Dizer que é