Vereadores exigem explicações sobre o corte no pagamento de insalubridades

  1. Home
  2. /
  3. Notícias Antigas
  4. /
  5. Vereadores exigem explicações sobre...
Assessoria da CMR – os vereadores Alex Santana (PSD) e João Ardigo (PSB) estiveram, na tarde da quinta-feira (30), na empresa Seprev Rolândia, segurança e medicina do trabalho, onde protocolaram um pedido de informações sobre o laudo pericial feito pela empresa no setor de Saúde de Rolândia. Neste mês, os servidores tiveram o pagamento de sua insalubridade suspensa.

Segundo Alex Santana, a prefeitura fez o corte do pagamento alegando que um laudo teria informado que não haveria necessidade destes servidores receberem o pagamento, mas há informações de que a visita em loco dos peritos não foi realizada. O laudo seria Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional (PCMSO) e Serviço de Perícia Médica.

Para evitar desencontro de informações, os vereadores pediram por meio do Ofício nº 055/2016 que seja encaminhado o relatório mensal de serviços executados desde o início do contrato; qual o andamento dos laudos emitidos pela empresa; e relatório de perícias médicas executados, desde o início do contrato.

Para o vereador Alex Santana, esta seria uma forma de sanar dúvidas, uma vez que os parlamentares são questionado pelos servidores quanto ao corte e ainda informaram que não foram notificados sobre a decisão. “Precisamos esclarecer esta situação o quanto antes, uma vez que, vários servidores foram afetados e a maioria nos informou que não foi avisada. Alguma coisa não bate nesta história e precisamos apurar”, alerta Santana.

O vereador João Ardigo comunga do mesmo pensamento de Alex Santana e acredita que empresa precisa se manifestar uma vez que ela presta serviços ao município por meio de contrato. “Como vereadores estamos fiscalizando esta situação e exigimos uma resposta urgente porque a insalubridade foi cortada se há informações de que não foi realizada visitas em loco para embasar um possível laudo”, questiona Ardigo.

Os vereadores Alex Santana e João Ardigo enfatizam que se as pericias não chegaram acontecer, os mesmos exigem que os servidores recebam novamente a insalubridade.
idagencia

idagencia

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM: