O poeta e as poetisas do Vitório Franklin

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
  1. Home
  2. /
  3. Notícias Antigas
  4. /
  5. O poeta e as...
A Escola Municipal Doutor Vitório Franklin, em Rolândia, mostrou o talento de quatro de seus alunos durante os Jogos Florais, no final de setembro. Segundo a diretora, Adriana de Souza Segato, os alunos declamaram três poemas, de autoria própria. Os poetas revelados durante o concurso são: Nathaly dos Santos Schroeder, Giovanna Galvanine, Anita G. Alves de Mendonça e Vitor Augusto Nuss de Moraes.

Os Jogos Florais foram realizados pela Biblioteca Municipal Rui Barbosa, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação e teve a participação de alunos de todas as escolas municipais e Centros Municipais de Educação Infantil. 

As Olimpíadas
Dia dez de agosto
O Brasil se alegrou
Oba! Oba!
A olimpíada já chegou!
O futebol é animal
E também uma paixão nacional!
E agora ganhamos ouro
Isso é muito legal!
Ganhamos também bronze
Esse foi do Rafael!
Assim como eu, é rolandense
Tão bom quanto Tafarel.
Ganhamos muitas medalhas
Mas não chegamos a primeiro.
Mas vamos continuar lutando
Porque somos brasileiros!
Fomos desclassificados
Em algumas modalidades
Mas não vamos nos importar
O importante é participar!
E para finalizar
Deixo aqui minha admiração
A todos os atletas
Que agora mora no meu coração!
Texto de Vitor Augusto Nuss de Moraes (5º ano B, professora Ivanete Casoni)
A liberdade
Treze de maio de 1888
O dia clareou, o sol esquentou
E a libertação de um povo
Enfim chegou…
Libertação! 
Abolicionistas e escravos
Gritavam e festejavam
Na euforia da liberdade
Pois não seriam massacrados.
Os senhores do engenho
E os fazendeiros
Preocupados com o prejuízo
Não davam nem um simples sorriso.
Oh princesa!
Malvada com os fazendeiros
Pois com sua assinatura
Acabou com os seus sonhos.
Este povo sem saber o que fazer
Voltaram para os seus senhores
Com tristeza em seus olhos
Para novamente voltar a sofrer.
Texto de Nathaly dos Santos Schroeder (5° ano B, professora Ivanete Casoni)
Eu me sinto um gigante
Me sinto um gigante
Quando estou elegante
Me sinto gigante
Quando minha mãe faz beijinho
E eu como um beijinho
Me sinto um gigante,
Quando vou nadar no rio
Perto de um pau brasil!
Me sinto um gigante
Quando ganho um presente
Dos meus parentes.
Texto de Giovanna Galvanine e Anita G. Alves de Mendonça (Profa Rosi Meire Sartori)






idagencia

idagencia

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

VEJA TAMBÉM: