Surto de caxumba em São Martinho

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
  1. Home
  2. /
  3. Notícias Antigas
  4. /
  5. Surto de caxumba em...
Há um surto pontual de Parotidite infecciosa – popularmente conhecida como caxumba – no distrito de São Martinho, em Rolândia. No total, são 6 casos da doença: três casos de pessoas entre 20 e 25 anos, 2 casos entre 10 e 15 anos e 1 caso entre 0 a 10 anos. A Saúde de Rolândia ressalta que o surto da doença já é considerado a partir de três casos confirmados.

A Parotidite infecciosa é uma doença viral aguda caracterizada por febre e aumento de volume de uma ou mais glândulas salivares, principalmente a parótida, mas também as sublinguais e maxilares. Cerca de 30% das infecções podem não apresentar hipertrofia aparente das glândulas. Em crianças menores de 5 anos são comuns sintomas de vias aéreas superiores. 

Em adultos, a doença é mais sintomática. 20 a 30% dos homens podem apresentar orquite – inflamação dos testículos que pode levar à infertilidade – “a caxumba pode descer”, já recomendavam os pais. Mulheres acima dos 15 anos podem apresentar mastite (inflamação das mamas), em 15% dos casos, e ooforite (inflamação no ovário), em 5% dos casos. Outras manifestações são meningite asséptica (10% dos casos), encefalite, pancreatite, tireoidite, artrite, glomerulonefrite, miocardite e ataxia cerebelar.

O agente etiológico da doença é o vírus Paramyxovirus. Os primeiros sintomas são febre e aumento das glândulas salivares. O diagnóstico é feito pelo clínico epidemiológico. O diagnóstico diferencial inclui o cálculo de ductos de parótida, hipersensibilidade a drogas (iodetos), ingestão de amidos, parotidite piogênica (bacteriana – em geral unilateral), inflamação de linfonodos, parotidite por outros vírus (parainfluenza, Epstein-Barr, influenza, coxsackie A, entre outros).

Transmissão
A caxumba é transmitida por via aérea, por gotículas ou contato direto com saliva de pessoas infectadas. O período de encubação dura de 12 a 25 dias. O período de transmissibilidade ocorre entre 6 e 7 dias antes das manifestações clínicas ou até 9 dias após o surgimento dos sintomas.

Tratamento
O tratamento é sintomático. Para orquite, é indicada a suspensão da bolsa escrotal, gelo e analgesia. Podem ser utilizados prednisona ou antiinflamatórios não hormonais. O Ministério da Saúde orienta o afastamento do trabalho ou escola por 9 dias após o início dos sintomas. O objetivo claro é não transmitir a doença.

Apesar de não ser uma doença de notificação compulsória, os surtos devem ser notificados pelo SINAN. A Vigilância Epidemiológica do município também deve ser comunicada, para orientação de bloqueio vacinal.
idagencia

idagencia

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

VEJA TAMBÉM: