Rolandenses no Dia Nacional contra a reforma da Previdência

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
  1. Home
  2. /
  3. Notícias Antigas
  4. /
  5. Rolandenses no Dia Nacional...

    Os trabalhadores da Educação e de outras categorias se reúnem na praça Castelo Branco, em Rolândia, a partir das 08 horas da manhã desta quarta-feira (15), Dia Nacional contra a Reforma da Previdência proposta pelo governo Temer. Às 8h30, os manifestantes seguem numa carreata até a Concha Acústica, no centro de Londrina. Lá se encontram com setores de serviços e sindicatos para participarem da paralisação nacional contra a Reforma na Previdência.
    O Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Londrina (Sinttrol) notifica a população usuária do Serviço de Transporte Coletivo Urbano, Metropolitano e Intermunicipal de Londrina e região, que em assembleia realizada na última quarta-feira (8), os trabalhadores aprovaram greve geral com paralisação dos ônibus que atuam em Londrina e região.
    Essa paralisação dos ônibus irá se refletir em Rolândia e nas escolas municipais. A secretária de Educação, Rosilene Moloni, divulgou um comunicado, da Procuradoria do Município, em que aborda o fato de o professor poderá perder a remuneração se faltar sem justificativas e se houver abuso por parte do servidor em se recursar a trabalhar por causa da greve do transporte coletivo. Moloni fala de uma possível dispensa dos alunos por falta de professores, já que vários desses profissionais residem em outros municípios e necessitam do transporte público para chegar a Rolândia .

Greve nos colégios estaduais
    A partir desta quarta-feira (15), professores, pedagogos e agentes educacionais iniciam a greve geral nacional, suspendendo as atividades nas escolas da rede estadual de ensino. A paralisação inicia a greve, que não tem data para terminar.
    Hermes Leão, presidente da APP Sindicato, enfatizou o início da greve estadual dos professores após a paralisação do dia 15, em um vídeo na página do Facebook do sindicato. Uma caravana vai até Curitiba para o ato contra a reforma na previdência realizado na praça Santos Andrade, às 9h.

Mobilização nacional
    A paralisação deflagrada no dia 15 de março conta com a adesão de inúmeras categorias profissionais. Estão previstos protestos, suspensão temporária de atividades e greve por tempo indeterminado em todos os estados. O movimento foi lançado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação e ganhou o apoio de outras centrais sindicais brasileiras.

Entenda
    As mudanças não entram em vigor imediatamente porque ainda dependem de aprovação no Congresso Nacional. A PEC será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara para verificar a proposta. Caso seja aprovada, será criada uma comissão especial para análise.
    No plenário da Câmara, a PEC tem de ser aprovada, em dois turnos, por três quintos dos deputados. No Senado, tem que passar novamente pela CCJ da Casa e por dois turnos no plenário, também com aprovação de três quintos dos senadores. Se o Senado aprovar o texto como o recebeu da Câmara, a emenda é promulgada e passa a valer como lei. Caso o texto seja alterado, deve ser enviado novamente para a Câmara para a análise das alterações feitas pelos senadores.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

VEJA TAMBÉM: