População participa de pesquisa para o Plano de Mobilidade Urbana

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
  1. Home
  2. /
  3. Notícias Antigas
  4. /
  5. População participa de pesquisa...

No início do mês de março, começaram as pesquisas para ajudar na formulação do Plano de Mobilidade Urbana de Rolândia. Segundo Catarina Maria Schauff Zanetti, secretária de Planejamento, o objetivo é facilitar o transporte do pedestre, ciclista, motociclista, motorista e quem utiliza transporte urbano. Por meio da pesquisa, serão levantadas informações sobre os meios de transporte utilizados pela população, como carros, ônibus, bicicleta e até mesmo quem anda a pé e os caminhos que eles usam no seu dia a dia. “Se consegue definir o que existe de precariedade nessas vias, nesses caminhos, se precisa de mais pontos de ônibus, se precisa de outra estrutura de acesso para que essas pessoas consigam ir e vir normalmente ou com mais facilidade”, afirmou Catarina.

A secretária explicou que a pesquisa relacionada a este projeto não tem custo para a prefeitura. “O Plano de Mobilidade Urbana faz parte de um conjunto de planos que direcionam a cidade, como o Plano Diretor”, disse. O Plano Diretor está sendo revisado pelo Instituto de Tecnologia e Desenvolvimento Econômico e Social (ITEDES), que forneceu funcionários para realizar a pesquisa do Plano de Mobilidade Urbana.

Pesquisa
Uma equipe de 15 entrevistadores do ITEDES está trabalhando desde março na pesquisa. Segundo Catarina, a cidade foi dividida em 17 setores. “Dentro desses setores foram selecionados porcentagens de residências para serem entrevistadas”, explicou. Cerca de 700 residências serão visitadas para responder à pesquisa. O questionário inclui perguntas sobre os diversos meios de transporte, horários. Além disso, o entrevistado é indagado se tem sensação de segurança ao andar de bicicleta ou ao se deslocar a pé. O morador deverá informar ao entrevistador apenas informações básicas como nome e idade, por exemplo.

A secretária assegurou que o processo de entrevista é seguro para o morador. “Os entrevistadores não vão entrar dentro da casa, eles vão estar identificados, vão estar com crachás e a pesquisa vai ser feita na porta da casa”, disse Catarina. Ela ressaltou que é importante que o morador responda a pergunta para que suas respostas sejam incluídas nas estatísticas do seu bairro. “Seria muito bom que quem for entrevistado seja alguém que more na casa”, completou. De acordo com Catarina, a pesquisa deve durar três meses e a previsão é que o Plano de Mobilidade Urbana esteja finalizado no mês de outubro.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

VEJA TAMBÉM: