+ Artes: O que esperar: Jogos Vorazes: A Esperança – final – por Samuel Bertoco

  1. Home
  2. /
  3. Notícias Antigas
  4. /
  5. + Artes: O que...

Quando fui assistir ao primeiro filme, fui com uma centopeia de pés atrás. Alias, pelo jeito não fui só eu, pois a atriz que interpreta que a protagonista Katniss, Jennifer Lawrence, veio até a público falar “Gente!! Não é Crepúsculo.”  
O filme foi uma boa surpresa por vários motivos. Boa trama, personagens bem desenvolvidos e complexos, subtramas interessantíssimas.  A história- baseada em uma série de livros – se passa em um futuro distópico em Paném – só não pergunte onde é isso – que foi dividida em distritos comandados por uma capital ditatorial que as explora,promovendo os tais Jogos Vorazes para controle e entretenimento do povo.

Nos jogos, um adolescente de cada distrito é escolhido um reality show em uma ilha totalmente fechada – inclusive no “céu” – e o ganhador é o jovem que sobrar vivo…é sério, jovens se matando – literalmente – para vencer um reality show. Tirando o “literalmente” até parece muito com alguns programas que temos hoje por aí.

Bom, sem spoilers, Katniss “quebra” as regras e começa a virar ícone de uma revolta dos distritos contra a capital. Nos filmes seguintes uma série de reviravoltas, tramas políticas, dramas bem contatos e ação muito bem feita nos prende em toda saga.  Grande parte do sucesso do filme se fez pelo elenco, Jennifer Lawrence é uma das melhores atrizes de sua geração, ainda temos Julianne Moore e Philip Seymour Hoffman, todos os três com Oscar no currículo, só para dar exemplo.

Agora, a saga se finaliza e ficamos sabendo o destino dos personagens que acompanhamos por anos, a revolta está para virar revolução, Katniss precisa lidar com questões pessoais profundas enquanto lidera os Distritos, e o presidente da Capital – Snow – tenta uma última cartada para conter a guerra civil.

Jogos Vorazes já tem seu nome gravado na cultura pop recente, cativou não só adolescentes, como boa parte do público mundial deu seguimento a uma enxurrada de “genéricos”, alguns bons, outros péssimos, mas claramente é enorme referência. Espero que finalize com a competência que nos trouxe até aqui.

Samuel M. Bertoco é formado em Marketing e Publicidade

idagencia

idagencia

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM: