Estado não quer pagar Home Care

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
  1. Home
  2. /
  3. Notícias Antigas
  4. /
  5. Estado não quer pagar...

A família da pequena Isabelly Vitória Pardim de Deus Mello, de 2 anos e 4 meses, recebeu uma notificação, na sexta-feira (04), de que o Estado do Paraná entrou com um recurso no Tribunal de Justiça para que seja desobrigado de custear o home care (tratamento domiciliar) da menina. Segundo Wagner Roberto Mello, pai de Isabelly, a justificativa do Estado é que o município de Rolândia é obrigado a pagar os custos.

Mello conta que entrou com uma nova ação judicial contra o recurso de apelação do Estado e aguarda a decisão da Justiça. “Queria que não parasse o atendimento, já é difícil, nem tudo que precisa eles fornecem. E se tirar a aparelhagem dela, o que vai fazer? Voltar para o hospital?”, lamenta o pai.

O home care é uma assistência domiciliar na área de saúde que permite ao paciente receber cuidados e tratamento em sua própria casa, com auxílio de profissionais – médico, fisioterapeuta, nutricionista – que visitam o paciente, evitando que ele fique internado por longos períodos.

Entre seus benefícios está a diminuição dos riscos de infecção em ambientes hospitalares, a humanização do atendimento, a redução de complicações clínicas e reinternações desnecessárias e otimização do tempo de recuperação do paciente.

A reportagem do JR entrou em contato com o secretário de Saúde, Érico Ignácio, que disse desconhecer a apelação feita pelo Estado para que o município assuma totalmente o home care. “Ainda não fomos notificados de nada, mas se algo chegar passaremos para o Jurídico da prefeitura”, explicou o secretário.

Doença
Isabelly foi internada em dezembro de 2013 com um problema que a impedia de produzir anticorpos e mecanismos de defesa contra outras doenças. A menina passou alguns meses sendo tratada no Hospital Infantil de Londrina, e só foi transferida para o HC de Curitiba, em junho de 2014, numa decisão da Justiça.

Na capital, Isabelly recebeu a medula da mãe, Dieid Daiane Pardim de Deus Mello, 21, e deu início a uma recuperação impressionante. A menina recebeu um marca passo diafragmático em uma cirurgia em fevereiro deste ano e, desde então, vem sendo cuidada em casa.

idagencia

idagencia

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

VEJA TAMBÉM: