+Artes: Star Wars – O despertar da Força – por Samuel Bertoco

  1. Home
  2. /
  3. Notícias Antigas
  4. /
  5. +Artes: Star Wars –...

Já faz um mês que o filme saiu e temos muitos reviews por aí, mas eu também mereço dar meu piteco. Uma vantagem de demorar um pouco é poder dar a informação – e não chutar – que o filme está quebrando todos os recordes de bilheteria e entrando nos “tops” de faturamento.

O primeiro ponto a se destacar é o acerto de ter J.J. Abrams como diretor do filme. Dentre várias bolas dentro, uma grande foi realmente recriar uma “atmosfera Star Wars”, uma espécie de mundo decadente, meio um futuro do passado. Os cenários, a fotografia, tudo muito bem cuidado beirando a perfeição. 

Os personagens antigos – Solo, Leia e Luke -foram bem colocados na história e não apenas enfeites para agradar aos fãs e, cada um de seu jeito, todos foram essenciais para o desenrolar. Mas foram os novos que deram show.

Finn, o stormtrooper com crise de consciência que deserda,Ray, nosso novo Luke – só que mulher, ainda mais bacana – e o vilão Kylo Ren obsessivo em continuar o legado de Darth Vadder foram os pontos altos do filme e com certeza, durante sei lá quantos filmes irão fazer na nova saga, nós sentiremos o mesmo carinho por eles que sentimos por Solo, Luke etc.

Mas nem tudo são flores e sabres de luz e alguns pontos me incomodaram bastante. O roteiro é uma cópia exata do primeiro filme, aceitaria isso como ponto de partida, mas forçou demais. Uma pessoa comum dos confins do universo sente que existe algo dentro dela, embarca em uma aventura meio sem querer e acaba levada a derrubar um exército maligno comandado por um misterioso guerreiro de armadura preta, enquanto todos buscam um mestre Jedi desaparecido – 77 ou 2015? Isso e mais algumas coisas como o piloto – novo Hans Solo que esqueci o nome – aparece e desaparece durante o filme como mágica e encontros de personagens tidos para serem coincidência que fazem com que a galáxia do filme pareça do tamanho da minha sala. Alguns vão falar que é porque eu estava com uma expectativa alta demais, mas sim, eu queria um tiquinho a mais.

Samuel M. Bertoco é formado em Marketing e Publicidade

idagencia

idagencia

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM: