Dúvidas frequentes na Pediatria – por Dr. Sérgio Luiz Rossi

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
  1. Home
  2. /
  3. Notícias Antigas
  4. /
  5. Dúvidas frequentes na Pediatria...
Mães e pais costumam chegar ao consultório do pediatra com uma infinidade de dúvidas sobre os cuidados dos bebês. Mesmo as mães e os pais mais tranquilos sempre têm as mais diversas questões a serem esclarecidas. Nesta edição do JR, escolhi as quatro mais frequentes, duas de cada fase, para responder: hérnia umbilical, fimose, vitaminas e bota ortopédica. 

0 a 6 meses – Hérnia umbilical e fimose: Nesta fase a hérnia umbilical fica proeminente quando o bebê chora. Ela não é a causa do choro e sim a cólica do recém-nato. A hérnia umbilical, na maioria dos casos tem solução espontânea até os 2 anos. Os procedimentos como colocar moedas e faixas não tem efeito nenhum e poderá provocar irritação na pele da criança. Quanto as dúvidas sobre fimose, a maioria dos meninos apresenta a abertura (meato) da pele que recobre a ponta do pênis (prepúcio), como um pequeno orifício. Mesmo sob tração é difícil de se expor a ponta do pênis (glande). Não se deve forçar o prepúcio para abrir a passagem para a glande, pois poderá provocar lesões na pele que ao cicatrizarem estreitarão ainda mais o meato prepucial.

6 a12 meses – vitaminas e bota ortopédica. Sempre surge a dúvida da necessidade de dar vitaminas ou não para as crianças que comem pouco. Não se deixe levar por propagandas enganosas de vitaminas milagrosas e biotônicos. As vitaminas estão nos alimentos do dia a dia, não existe medicamentos que substituam um ambiente calmo, pais ou cuidador presentes e alimentação colorida (legumes, carnes e frutas). É importante entender que cada organismo tem suas individualidades e segue a curva de crescimento e peso dentro de uma escala em que os limites variam de uma criança para a outra.

As crianças até os 7 anos encontram-se em pleno desenvolvimento ósseo, podendo apresentar pequenos desvios nos joelhos e o hábito de pisarem nas pontas dos pés, o que é normal nesta fase, e na maioria das vezes desaparecerão. As antigas botas ortopédicas, não são mais indicadas a não ser em desvios patológicos, geralmente detectados ao nascimento, onde serão utilizados aparelhos ortopédicos especiais.
Dr. Sérgio Luiz Rossi é pediatra e atende na CLINIMED – Saúde Integrada, na rua Estilac Leal 77 – Rolândia. O fone é o (43) 3255-1717
idagencia

idagencia

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

VEJA TAMBÉM: