Cambé: vacinação anti-gripe com agendamento

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Saúde
  6. /
  7. Cambé: vacinação anti-gripe com...

Secretaria de Saúde mudou a vacinação contra a gripe no município e agendamento da aplicação passa a ser necessário

A Secretaria de Saúde de Cambé mudou seu planejamento de aplicação de vacina contra a gripe devido à quantidade de doses recebida ser menor do que a esperada e também para não coincidir com a vacinação contra a Covid-19. O imunizante já está disponível para idosos acima de 60 anos e para profissionais da saúde até o dia 2 de maio, mas a aplicação precisará ser agendada em uma das Unidades Básicas de Saúde do município. A Secretaria segue o calendário da Campanha Nacional de Vacinação Contra a Influenza.


Os idosos e profissionais da saúde devem procurar as Unidades Básicas de Saúde no dia e horário pré-agendados levando um documento com foto, comprovante de residência e carteirinha de vacinação.


A responsável pelo departamento da Vigilância Epidemiológica de Cambé, Isabela Saraiva Salvadego, destaca a necessidade da população se vacinar contra a Influenza: “Essa vacinação anual é de extrema importância, principalmente em função da epidemia de H3N2 que teve no ano passado. O imunizante disponível já vai combater essa nova cepa”. A profissional acrescenta que é recomendado tomar a vacina antes do inverno, para prevenção do aumento de casos da Influenza. “Importante lembrar que a vacina contra a Covid-19 e contra a Influenza podem ser administradas ao mesmo tempo”, informa. Salvadego também pontua que pacientes com sintomas gripais não devem tomar o imunizante.

2ª etapa anti-gripe
A segunda etapa da campanha será de 3 de maio a 3 de junho. Nessa fase, o imunizante será aplicado em crianças de seis meses e menores de cinco anos, gestantes, puérperas, professores do ensino básico e superior, povos indígenas, profissionais das forças de segurança e salvamento, profissionais das forças armadas, pessoas com doenças crônicas, pessoas com deficiências permanentes, caminhoneiros, trabalhadores do transporte público, trabalhadores portuários, população privada de liberdade e funcionários do sistema de privação de liberdade.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Religião

Jesus disse ‘sim’

Por Monsenhor José Ágius Nosso catecismo básico diz que Jesus morreu para nos salvar. Difícil é explicar porque ele teve que morrer. Dizer que é