Covid: milhares de cambeenses não buscaram a 2ª dose da vacina

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Saúde
  6. /
  7. Covid: milhares de cambeenses...

Até a sexta-feira, 03 de dezembro, mais de oito mil moradores de Cambé não haviam voltado para tomar a segunda dose da vacina anti-Covid

De acordo com a Secretaria de Saúde de Cambé, mais de oito mil pessoas não voltaram para tomar a segunda dose da vacina contra a Covid-19. Esses números se referem até a o início de dezembro, mais precisamente a sexta-feira (03). Mais de 76 mil pessoas acima de 18 anos tomaram a primeira dose, mas pouco mais de 67.800 retornaram para a dose complementar, resultando em uma taxa de abstenção de quase 10% nesta população.

Segundo Wilson Liuti, epidemiologista da Secretaria de Saúde, para incentivar as pessoas a colocarem a 2ª dose da vacina em dia, estão sendo feitas campanhas de repescagem. Na segunda (06), foi para quem tomou a 1ª dose da Pfizer até o dia 13 de outubro; já nesta sexta (10), a repescagem é para quem tomou a 1ª dose da AstraZeneca até o dia 15 de outubro. A vacinação acontece das 9h às 12h no formato drive thru na Rodoviária (Avenida Brasil, 1336 – Vila Salomé). É necessário comparecer com um documento com foto, CPF ou cartão do SUS, comprovante de residência e a carteira de vacinação com a anotação da primeira dose.

Segundo o especialista, todos os estudos preliminares indicaram a necessidade das duas doses para garantir a proteção contra o vírus. “Agora, a grande maioria das mortes é de pessoas que não tomaram a vacina ou que estão com o esquema vacinal incompleto. Apenas uma dose da vacina não garante a eficácia”, explica.

Para o especialista, a melhora no cenário pandêmico tem colaborado com essa crescente abstenção. “Como a transmissão do vírus e a chance de contágio têm diminuído, as pessoas vão perdendo o medo”, ressalta. “Esse alto número de pessoas com o esquema vacinal incompleto pode fazer com que a cidade volte a apresentar muitos casos e mortes como nos meses mais críticos da pandemia na cidade”, alerta.

Segundo os dados da Secretaria de Saúde, os grupos com mais taxa de abstenção de segunda dose são: população geral (6.880); profissionais da Saúde (340); professores e profissionais da Educação e Assistência Social (291); e portadores de comorbidades (160). “A maior taxa de abstenção é entre a população mais jovem, que é a que está tomando a segunda dose agora”, explica. Liuti esclarece que os idosos sempre foram os mais afetados pelo vírus e por isso a grande maioria completou o esquema vacinal e agora está recebendo a dose de reforço. “Mas com os mais jovens vêm sendo diferente, eles perderam um pouco do medo e têm deixado de lado a segunda dose, seja porque não têm muito tempo ou porque não acham necessário”, frisa.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Cotidiano

Sobre as matérias desta edição

Editorial – edição: 873 – sexta-feira, 27/05/22 Olá, querido leitor e cara leitora do JR Neste editorial, abordaremos um pouco das matérias que estão nesta

Religião

Jesus disse ‘sim’

Por Monsenhor José Ágius Nosso catecismo básico diz que Jesus morreu para nos salvar. Difícil é explicar porque ele teve que morrer. Dizer que é