Justiça remarca júri de pai e avó de Eduarda Shigematsu

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Segurança
  6. /
  7. Justiça remarca júri de...

Julgamento passou de março para maio devido a uma testemunha, considerada essencial, não ter sido intimada

Eduarda Shigematsu tinha 11 anos quando foi morta (foto: redes sociais)

O julgamento de Terezinha de Jesus Guinaia e de seu filho Ricardo Seidi, acusados no envolvimento na morte de Eduarda Shigematsu (11 anos), foi adiado pela Justiça para 26 de maio de 2022. Os acusados, que são avó e pai da vítima, vão enfrentar um júri popular formado por 7 pessoas no Fórum de Rolândia.

Inicialmente, o julgamento estava marcado para o dia 24 de março, mas o Ministério Público do Paraná (MP-PR) pediu a mudança alegando que uma das testemunhas, considerada essencial, não havia sido intimada. O advogado de defesa de Terezinha também havia solicitado a remarcação do julgamento porque queria substituir uma testemunha.

Também a defesa de Ricardo Shigematsu tinha pedido no processo o adiamento do julgamento porque houve troca de advogados e não haveria tempo hábil para que os novos profissionais estudassem o processo.

Jurados

Com a mudança da data do julgamento do caso Eduarda Shigematsu, o sorteio dos 25 jurados também teve que ser remarcado: agora será no dia 2 de maio. Das 25 pessoas sorteadas para o júri, apenas sete serão escolhidas para julgar os acusados.

Ricardo Seidi e de Terezinha de Jesus Guinaia vão a Júri Popular a partir das 8h30 do dia 26 de maio de 2022, uma quinta-feira. O julgamento deve mexer novamente com os rolandenses, como aconteceu na época do crime hediondo. Essas pessoas que comporão o Júri irão decidir se Ricardo é culpado de homicídio qualificado (feminicídio), de ocultação de cadáver e de falsidade ideológica. Já a avó Terezinha será julgada pelos crimes de ocultação de cadáver e de falsidade ideológica.

Relembre o caso

Ricardo Seidi Shigematsu foi preso no dia 28 de abril de 2019, um domingo, depois de ajudar a polícia a desenterrar o corpo de Eduarda. A menina estava enterrada na garagem de uma casa desocupada, que pertence à família de Ricardo, e que fica na rua Manoel Carreira Bernardino, região central de Rolândia. Eduarda estava desaparecida desde a quarta-feira (24) e o próprio pai colocou o fato, pedindo ajuda, em sua rede social.

Ricardo deu depoimento ao delegado Ricardo Jorge, da 22ª SDP Subdivisão Policial de Arapongas, responsável pelo caso. O corpo foi localizado pelos policiais da delegacia de Rolândia, que pertence à 22ª SDP de Arapongas, e pelas equipes do Sicridi (Serviço de Investigação de Criança Desaparecida, de Curitiba, que está no caso desde a sexta-feira. “Eduarda foi encontrada com as mãos e pés amarrados, com uma camiseta e um saco de lixo na cabeça”, afirmou o delegado.

Naquele domingo pela manhã, testemunhas informaram à polícia que tinham ouvido barulhos em uma residência desocupada na rua Manoel Carreira Bernardino no dia em que Eduarda havia desaparecida, dia 24. Os policiais foram ao local checar a informação e notaram em uma garagem um chão aberto, com concreto quebrado. Os policiais começaram a cavar e logo subiu um forte odor e eles viram o pé da menina. Foi apurado que o imóvel era do pai de Ricardo e praticamente só ele tinha acesso a essa casa. Ricardo havia deixado uma caminhonete nessa residência e tinha levado vassoura e um balde. Os policiais foram até a casa de Ricardo e o prenderam em flagrante por ocultação de cadáver.

Mais detalhes

O delegado falou das imagens de câmeras que mostram Eduarda chegando na casa dela, na quarta-feira (24), por volta das 11h50, mas não há imagens dela saindo da casa. “O que vimos foi Ricardo saindo da casa com um Gol preto por volta das 13h30 e com a menina já morta dentro do carro, como ele mesmo admitiu”, revelou o delegado Ricardo. “Ele confessou a ocultação do cadáver, mas não de ter matado Eduarda”, enfatizou o delegado. Ricardo chegou com o Gol preto, ainda não encontrado, às 13h35 na residência da rua Manoel Carreira Bernardino.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Colunas

Aluna Kumon passa em vestibular da UEL

Por Kumon Unidade Rolândia O Kumon é uma metodologia que visa incentivar na criança a autonomia nos estudos, buscando fortalecer o potencial de aprendizado de

vagas de emprego

JORNAL DE ROLÂNDIA – VAGAS SINE

CONFIRA AS VAGAS DISPONÍVEIS PARA ESTA QUARTA-FEIRA, 18/05 Assistente Técnico em segurança do trabalho Auxiliar de mecânico diesel Auxiliar de produção (exclusiva PCD) Auxiliar de produção

Esporte

Rolandenses no Brasileiro de Ciclismo do Rio

Competição reúne os melhores ciclistas do Brasil nas categorias Elite, Sub23 e no Paraciclismo A equipe de Ciclismo de Rolândia participa, a partir desta quinta-feira