Cambé: Clínica da Mulher já colocou 100 DIUs

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Social
  6. /
  7. Cambé: Clínica da Mulher...

Cem mulheres receberam o Dispositivo por meio da Clínica da Mulher em cinco meses

Camila Ravagnani Bueno durante um atendimento

Em pouco mais de cinco meses de funcionamento, a Clínica da Mulher de Cambé chegou a impressionante marca de 100 mulheres que já receberam o DIU (Dispositivo Intrauterino). Isso foi motivo de festa entre as colaboradoras da clínica nesta semana. A Clínica da Mulher vem trabalhando para ofertar diversos serviços essenciais à saúde e ao bem-estar das mulheres, com o objetivo de garantir um atendimento mais humanizado e adequado à realidade desse público.


O DIU é um dos métodos contraceptivos mais modernos e com menor taxa de falha. Camila Ravagnani Bueno, enfermeira responsável pelo local, explica que a demanda para esse tipo de serviço foi 30% mais alta que a esperada para o período, que era de atender cerca de 70 mulheres.


Ela esclarece que o DIU é um pequeno objeto em forma de ‘T’, que é implantado dentro do útero das mulheres, sendo considerada uma das formas mais eficazes no controle da natalidade e de gestações não planejadas. “Nós oferecemos o DIU como primeira opção para mulheres que estão em idade fértil e que já iniciaram a vida sexual e que não querem engravidar”, ressalta. Segundo ela, não há restrições em relação à idade ou número de filhos, mas alguns critérios clínicos são levados em conta, como doenças que alteram a coagulação sanguínea ou fluxo menstrual elevado.


“Hoje, as mulheres buscam mais informações e querem métodos mais eficazes e modernos para evitar uma gravidez que não está nos planos, por isso temos visto esse número alto de mulheres que optam pelo DIU”, ressalta. Segundo ela, o objetivo de ações como essa é diminuir cada vez mais o número de casos de gravidez na adolescência, que aumentam as taxas de mortalidade de mães e dos bebês. Camila Bueno destaca que, em Cambé, a cada ano, são registradas cerca de 130 adolescentes – com 19 anos ou menos – grávidas.


Bueno explica que o DIU é o terceiro método contraceptivo mais eficaz que existe hoje no mercado, atrás apenas da laqueadura e da vasectomia. Mas, ao contrário deles, o procedimento para colocar o DIU não precisa ser feito em um centro cirúrgico além de ser um método reversível. “A partir do momento em que ela tira o DIU, já está fértil e já pode engravidar”, explica. De acordo com ela, o procedimento dura em torno de 30 minutos e é feito na própria clínica. “É uma intervenção simples, mas algumas mulheres podem sentir um desconforto logo depois, que varia de mulher para mulher”, pontua. Segundo ela, caso a mulher se sinta confortável, ela pode seguir com as atividades cotidianas normalmente.


Bueno também ressalta que a chance de falha do DIU é menor que 0,1%, pois não há possibilidade da mulher esquecer de tomar, como no caso das pílulas. “O DIU que nós oferecemos é o de cobre, que não é hormonal e a mulher pode ficar até 10 anos com o mesmo”, explica. Mas, de acordo com ela, as mulheres precisam realizar exames de imagem com mais frequência, já que o DIU pode desencaixar em alguns casos. Além disso, apesar dos benefícios, o DIU não protege contra as diversas Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) que existem. Dessa forma, o preservativo deve ser visto como um aliado deve tipo de método, que serve como uma barreira contra essas infecções, além de auxiliar também no controle da natalidade.


Para serem atendidas na Clínica da Mulher, as mulheres podem procurar uma das Unidades Básicas de Saúde ou ir até à clínica. “Além da avaliação médica, elas devem estar com o exame papanicolau em dia e apresentarem uma ultrassonografia ginecológica e alguns exames de sangue”, enumera. “Quando a paciente vem, já são realizados outros exames e, se não houver nenhuma alteração, o procedimento é feito no mesmo dia”, conclui.


A Clínica da Mulher fica na Rua José Gomes Redondo, 35 – Jardim Ana Rosa. O telefone e WhatsApp para contato é o 3174-0325.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Religião

Jesus disse ‘sim’

Por Monsenhor José Ágius Nosso catecismo básico diz que Jesus morreu para nos salvar. Difícil é explicar porque ele teve que morrer. Dizer que é