CEI Luz para o Mundo: 40% das vagas são sociais

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Social
  6. /
  7. CEI Luz para o...

Entidade educacional sem fins lucrativos de Rolândia busca parcerias e ajuda para oferecer mais vagas sociais a famílias que precisam

Professora do CEI Luz para o Mundo sob os olhares atentos dos pequeninos

Fundada em 13 de abril de 2015, o Centro Educacional Luz para o Mundo (Reinaldo Massi 977, Vila Oliveira, Rolândia) não tem fins lucrativos. Atualmente, a instituição atende 80 alunos, mas tem capacidade para 120. “O intuito da escola sempre foi atender o maior número possível de crianças de forma gratuita ou com uma mensalidade muito acessível”, afirma a coordenadora Cristiana Magalhaes Gonçalves.

Vagas sociais para quem precisa
Nesse ano de pandemia, o CEI foi liberado há alguns meses para atender com a capacidade de 50% e hoje já está retomando normalmente os seus atendimentos, cumprindo os protocolos sanitários. “Estamos atendendo de forma normal com todos os cuidados. Infelizmente, a pandemia dificultou bastante o nosso trabalho social, pois ficamos quase um ano sem atender. Nós não temos outros recursos para os mantes a não ser as mensalidades que os pais pagam”, revela. Neste momento a escola dispõe de vagas sociais e vagas parciais. “Mas nosso sonho é que a gente tivesse parcerias e pudéssemos atender um número ainda maior de vagas sociais”, confessa Cristiana.

Cerca de 40% das crianças da instituição tem algum tipo de desconto na mensalidade e alguns estudam de forma gratuita. “De 80 crianças que atendemos, temos quatro que não são pagantes, e temos também aquelas que pagam cerca de 200 a 250 reais para ficar o dia todo, que representa um bom desconto na mensalidade”, explica Cristiana.

O CEI Luz Para o Mundo oferece berçário, em que recebe crianças a partir dos quatro meses de idade, e educação infantil, com crianças de até cinco anos. Sobre os critérios para conseguir uma vaga social, a coordenadora fala de um olhar de humanidade voltado para a situação e necessidade de cada família que chega à entidade.

“Não tenho um critério que define a disponibilidade de vaga social. Muitas pessoas vêm nos procurar por meio de igrejas. Sempre analiso a situação da família, número de filhos…”, compartilha a coordenadora. Com o cenário atual de crise em todo o país, a coordenadora afirma que neste momento não há como ofertar mais vagas sociais. “Estamos em uma situação em que não há como ofertar mais vagas sociais por não termos mais recursos financeiros. Por isso, estou mantendo as que eu tenho e peço para Deus nos abençoar com parcerias de empresas e de empresários para nos ajudar nesse sentido”, confessa.

Cristiana deixa um convite para os interessados em conhecer a escola e conhecer a realidade do local. “Nós temos um sonho social, então se pudermos ter parcerias que nos ajudem com salário de professor, ou com alimentação, podemos reverter tudo isso em vaga social”, pede. A coordenadora também afirma que os alunos da instituição gostam muito da metodologia aplicada. “Somos uma escola com ótimos professores com uma metodologia de trabalho muito legal, atuamos com princípios e valores”, ressalta.

Adote um aluno
O valor atual para matrículas na escola é R$ 480,00 no período integral e R$ 350,00 por meio período. Isso com alimentação inclusa, além de aulas de balé e inglês. A coordenadora explica que é possível adotar um aluno. “A pessoa que se interessar também pode adotar um aluno. Basta entrar em contato conosco e manifestar o interesse de ser um abençoador da escola. Com 200 reais por mês, por exemplo, a gente reverte isso tudo em vagas sociais”, informa.
Para conhecer mais sobre o trabalho realizado no CEI Luz Para o Mundo, entre em contato com a Cristiana por meio do (43) 9.9848-9300, e agende uma visita. Mais sobre o trabalho do CEI pelo Facebook (/centroeducacionalluzparaomundo).

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

FOTO(S) DESTA MATÉRIA

VEJA TAMBÉM:

Religião

Jesus disse ‘sim’

Por Monsenhor José Ágius Nosso catecismo básico diz que Jesus morreu para nos salvar. Difícil é explicar porque ele teve que morrer. Dizer que é