Procuradoria da Mulher terá um ‘Procurador-adjunto’

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Social
  6. /
  7. Procuradoria da Mulher terá...

Novo procurador vai auxiliar nos atendimentos do órgão que hoje atende 19 mulheres no município; objetivo é facilitar acesso dos homens à Procuradoria

Mulher é atendida pela advogada Soraia e pela procuradora Cristina em evento no Cras do Nobre

Ativa desde 25 de outubro de 2021, a Procuradoria da Mulher de Rolândia atende as mulheres que precisam de apoio em situações de violência e oferece outros tipos de acolhimento. O órgão também contará com um procurador adjunto, que será um dos vereadores da Câmara de Rolândia. O objetivo é aproximar os homens acusados de agressão da Procuradoria, uma vez que seria mais ‘fácil’ para eles falar com um procurador e não com uma procuradora. Atualmente, o órgão tem as vereadoras Cristina Pieretti (PP) como procuradora e Janaina Beneli (PSL) como vice-procuradora, além de contar com o suporte da advogada Soraia Inêz.

Na sessão desta semana, foi lida a resolução que trata do procurador adjunto e, agora, o documento vai para comissões antes de ser votado. “Depois de aprovada a resolução, os vereadores vão manifestar por ofício o interesse em ser um procurador adjunto e, só então, o presidente Reginaldo Silva escolhe quem vai ser o novo membro”, explica Cristina.

No momento, a Procuradoria atende a 19 mulheres em Rolândia com suporte jurídico e também presta suporte psicológico para as mulheres que precisam. Funciona como uma rede de apoio com a Assistência Social e o CRAS. As psicólogas, quando atendem as mulheres que estão vivendo em um ciclo de violência, encaminham para a Procuradoria.

Durante esse mês, alguns eventos também contribuíram na captação de mais mulheres que vivenciam esse ciclo de violência: 08 de março, Dia Internacional da Mulher e dia do lançamento do ‘Março Mulher’ foi um deles. “Neste dia foram feitos quatro atendimentos. Depois do primeiro contato, essas pessoas já foram até a Câmara levar a documentação e dando continuidade no que necessitam. Depois daquele evento começaram a aparecer mulheres que não sabiam da Procuradoria”, comenta Pieretti.

Um outro evento da Procuradoria da Mulher também possibilitou essa ponte entre o órgão e as vítimas que tanto precisam de ajuda. A ação ocorreu na terça (22) na Escola Municipal do Distrito Nossa Senhora Aparecida (Bartira) e resultou em outros atendimentos, além de muita informação para as mulheres sobre as várias violências. “Lá nós encontramos muitas outras vítimas de violência. Cerca de 50 mulheres ouviram sobre direitos com a Soraia e sobre saúde com a secretária de Saúde, Karla Ulinski. Percebemos que as participantes se identificavam com as histórias sobre os casos que aparecem na procuradoria. Vamos voltar lá para atender essas mulheres porque elas já pediram isso”, afirma Pieretti.

O evento realizado na escola foi programado próprias professoras, da escola e do CMEI Rita Teodoro de Jesus, que identificaram a presença de vítimas de violência. “Elas mesmas organizaram e fizeram o convite para nós participarmos do evento. Além disso, também contamos com a participação da primeira-dama Ana Maria Mungo Maistro”, pontua a procuradora.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Religião

Jesus disse ‘sim’

Por Monsenhor José Ágius Nosso catecismo básico diz que Jesus morreu para nos salvar. Difícil é explicar porque ele teve que morrer. Dizer que é